quinta-feira, 31 de março de 2011

Quando as emoções são vozes caladas...

foto de Luísa


São rebentos verdes, tenros e vivos!
Chamam pelo sol e com ele convivem!
Tornam-se o cenário perfeito para uma nova estação que se partilha
com o aroma dos abetos que cá estão...
Apreciar o tempo e prometer que com o tempo todos disfrutam do seu crescer.
Olhamos-te ansiosos,
 tratamos-te como uma história especial,
 embalamos-te com o sorriso da canção mais bela que a natureza nos oferece.
Uma força natural que desenvolves...
...que já agradece a brisa que vem num fim de tarde que cresce,
e que com os teus ramos verdes, tenros e vivos,
ouves as emoções das vozes caladas!

sábado, 26 de março de 2011

Traçado da evolução...

foto de Luísa

Eras verde, pujante de fama e sempre  aprumada para nos receber
Mostravas-nos o Portugal do Minho, da frescura da Serra e das giestas a nascer!
Foste rasgada ventre fora, cravejada de pontos brancos, com hélices sempre a rodar...
Roubaram-te o silêncio do canto dos pássaros, do rastejar das espécies e dos assobios do vento tocados pelos arbustos!
Hoje, quando em vez, ouvimos-te mecanicamente sonorizada!
Ouvimos-te Serra organizada, alinhadamente evoluida, numa linha oscilada, tal saia de godé de menina!
Mantens-te bela, mantens-te lugar de passeio quando se busca a paz, porque em ti moram memórias!
Pena te ver com trilhos de terra fresca de rodados marcados que buscam entretenimento!
Todos te buscam para descarregar iras das semanas que em nós plantam pilares e élices de ventanias jamais sopradas!
E tu, SERRA DA LAMEIRA, sempre bela e anfitriã, abraças-nos em verde e ofereces-nos o cheiro do eucalipto que libertas por lá...
Hummmmmmm!Como sabe bem inspirar-te!!!

domingo, 20 de março de 2011

Um fio de sol só para te dizer Saudade

foto da net


Hoje, estiquei um fio de sol
Trouxe-o comigo para me ajudar a escrever!
Vem quente, ágil de vida, 
pronto a delisar pela folha tal patim bem afinado
Hoje trouxe-o só para mim e começamos por dizer:
-Saudade!
Saudade de ti, e do tempo que tinhamos para nós!
Saudade dos conselhos, das partilhas do saber livresco,
da discórdia sobre passos da vida,
e das direcções sempre contrárias que escolheríamos.
Saudades de ti e de te sentir um raio de sol...
...que me aquecias o sorriso por enaltecer o caminho traçado
mesmo não concordando com ele.
Saudades de quem ouve uma catraia a badalar ilusões,
enquanto tu,
sorrias tento como quem inspira cautela numa jovem destemida.
Hoje o raio de sol foi estirado e....esgotou-se na saudade!


segunda-feira, 14 de março de 2011

Terras Altas da Serra de Fafe


Foto de Luísa

Vi-te verde de inverno!
Cinzelavam-te tons dos pincéis que decoravam o céu!
Estavas verde vestida, verde musgo, verde cinza, verde garrida, verde apagado...
Estavas verde em cada manto de verde capim lançado à terra,
numa voz de quem chama e apresenta o que melhor veste em ti!
Serra verde e solheira, que fria de inverno agreste e severo esávas...
...e mesmo assim, foste singela no abraço pelo frio que te varria!
Serra imponente acompanhada de quem gosta de ti!
Eramos poucos a olhar-te de perto!
O frio afugentou-nos...
O vento fustigou-nos...
Os pássaros que voavam negros e em bando consolaram-nos!
Consolou-nos os teus naturais habitantes que com regra se aprumaram,
Se abrigaram e urraram:
Deixai-nos com verde terra, numa Serra que é nossa quando vossa se apresenta!



sábado, 12 de março de 2011

O som de sábado cheira a cuco trovador


foto da net

O som de sábado cheira a cuco trovador,
Cheira a sol envergonhado e maduro inverno que se despede
Cheira a tempo que nos abraça, com deleites de sabor a tempo,
porque o tempo de sábado planou...
E, por cada trago de chá saboreado,ouve-se a serenata do cuco trovador
que de mansinho no pinheiro poisou e simpaticamente a sua pauta tocou!
Canto delicado, canto novo e de anúncio
Canto de quem vem lembrar as gentes dos cucos que virão na orquestra
daquela que todos esperamos chegar e que celebra Primavera!

terça-feira, 8 de março de 2011

O som da realidade...

foto da net


Num refugio de tempo, sentei a ouvir a liberdade!
Encontrei-me com a realidade e olhei-a agradecida!
Soube ouvir...Sentir o seu aroma
Rasgar os medos do que vinha para lá do tempo,
Enquanto é tempo de viver!
Neste momento de liberdade
soube bem sentir a prisão do amor!
Melhores amarras não existem,
quando as interpretações dos sons,
são traduções de momentos de vida...