sábado, 23 de junho de 2012

Olhares

foto de Luísa




Quando um dia olhaste o rio viste-lhe linhas de movimento,
Cheiraste-lhe as algas vagueantes a correr para o mar
e ouviste o nado dos peixes que cardumavam rumo a nascente!
Foste presenteada com a visita do cisne branco que te olhou,
abeirou e perfilou para a foto que preparavas tirar!
Aaaahhhh! Como aprecias o que é belo
e como é bela a direção do teu olhar!



terça-feira, 19 de junho de 2012

Parou...

foto da net


Se chegares, bate de mansinho,
desliga o interruptor e fala baixinho!
Se vieres, anda em silêncio,
traz o teu sorriso no rosto
e senta-te sem me comentares!
Ouve-me pelo olhar,
e lerás em mim o que me inquieta e deixa prostrada!
Lido mal com a injustiça, tu sabes!
E na ressaca dos dias idos,
compenso-me com refugios em ti,
sem sentir o mundo que gira e passa,
numa azáfama louca que me não reconhece e esquece.
STOP!

domingo, 17 de junho de 2012

Em detrimento das palavras...vou aprender a olhar e ver!

imagem da net

Que faço aqui, palavras dançantes?
Fazeis com que exponha o que de mim sai num momento de lucidez estranha,
num segundo de pensamento vão e furtuito,
numa circunstãncia invulgar e única de reflexão?
Hoje não vou por aí!
Na reflexão não vos vou usar nem lembrar de vos prenunciar...
vou transmitir o meu pensar no brilho do olhar
e na mansidão do sorriso de compreensão!
As palavras serão permutadas pelo saber no olhar,
substituidas pelo pensamento de as fechar e guardar...
até em novo ensaio as mostrar.


quinta-feira, 7 de junho de 2012

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si

foto da net



Quisera eu um dia saber as notas que tocas!
Sei-te estudiosa e encantada com as pautas,
mas lê-las, só mesmo pela interpretação do teu doce olhar!
Vejo-te dedicada, atraída pelas melodias que soam pelo sopro!
Os dedos, um a um, têm posição certa na escala de teclas que dominas!
E balanças...balanças ao som de Beethoven que interpretas de cor!
Esperas sempre uma avaliação nossa.
Bom ou Muito bom?
Para nós, serás sempre a melhor!



sábado, 2 de junho de 2012

Tempo espectável...

foto da net


A ligeireza com que os segundo se consomem, consome-me!
Passa rápido este tempo intemporal de ações parcas e abundantes,
que atravessa suavemente a vida num trajeto incognito e imprevisível,
onde não se contam os tempos passados, nem se esperam os tempos por vir
mas aguardam-se as incognitas num tempo traçado a preceito!
Há tempo que não se dá conta de existir,
que passa intocável nas nossas vidas e nos deixa indiferentes...
Mas o tempo que se esbarra em nós e nos permite olhar de perto os dias,
dá-nos uma rara beleza ao esperar o que está por vir!