segunda-feira, 31 de março de 2014

O frio em mim



foto da net
Sinto no rosto o frio dos dias
Aquele que me corta a pele
e embrutece as feições!
Sinto a falta do sol
do calor que se me oferece
e amacia a minha tez!
Sinto sentir o tempo
que, na melhor reação,
 passa uma rasteira
e ensina uma bela lição!
Entre o frio e o calor
balanço acordes de vida
afinada pela vontade de tocar, 
jamais vencida!
Sinto o sentido do tempo, superando...

domingo, 30 de março de 2014

Escrever-te

foto da net
Quando me pedes que escreva
e pense em ti para dar sumo às palavras
sinto um aperto no peito
pois duvido do caminho 
e do seu último efeito!
Escrever-te é falar-te, falar-nos!
É dizer no papel o quanto me fazes feliz e
como gosto de morar na felicidade!
Redações da vida não são escrita d´alma!
são relatos dos dias que passam,
das horas que faltam,
do tempo passados a dois,
num momento de vida a sós...
...com saudades de ti, de mim, de nós!

sábado, 29 de março de 2014

Números



Entre números e estudos,
avalio o tempo que passou!
Serão dados para ler mudos,
com leituras possíveis do que mudou!
Ficam sempre lições tiradas,
daquilo que os números trazem.
Servirão de guião para futuro,
não repetindo erros por amostragem!
Só não aprende quem não quer,
pois a vida apresenta-se uma lição!
Com números, com somas e perdas,
com saberes concentrados em mim, mulher!



sexta-feira, 28 de março de 2014

O choro dos felizes tem hora...

foto da net

Apetece-me chorar!
Assim, copiosamente como as nuvens.
Aquela choro que sai de dentro,
e brota a mágoa do tempo...
...sem parar!
Apetece-me chorar!
Assim, com vontade só minha
aquele choro que lava a alma
abre os olhos em vermelho
e nos faz sentir bem!
Apetece-me chorar, hoje!
Agora, enquanto escrevo o choro do dia!
Apenas chorar por chorar
num momento de paz na escala maior de alegria!

quinta-feira, 27 de março de 2014

Abandono

foto da net
Porque me deixas só, agora que estou velho?
Já não sirvo para acompanhar? Mas, preciso de companhia!
Já não acompanho a caminhada? Mas faço parte do caminho!
Já não debato ideias? Mas sou um discurso direto!
Já não oiço à primeira? Mas percebo-te quando oiço!
Já não como como te ensinei? Mas gosto de companhia à mesa!
Irás passear comigo no dia em que me for
e chorar de saudade pelo que fui?
Já não sou novo e sinto-me partir, devagarinho!
Mima-me agora, enquanto cá estou e dou valor!
Porque amanhã serei memória e
  somente saudade do que para ti não fui!

quarta-feira, 26 de março de 2014

Ser voluntário

foto da net
Ser voluntário é
Estar livre de si para se dar aos outros!
E comportar na pessoa que dá
A resposta afetiva pela falência de um sistema
 chamado “estado da família”!
È reunir atributos de ser,
Ser solidário,
Ser paciente,
Ser sorriso,
Ser amigo,
Ser tolerante,
Ser oportuno,
Ser pontual,
Ser assíduo,
Ser isento, Ser feliz!
Ser, apenas SER!

terça-feira, 25 de março de 2014

Sons da lua

foto da net
Quantas noites
 o corpo pede sono
E o sono dispersa com os sons da lua?
Quantas horas
sonhamos a cor
e o tom desmaia apagado?
Quantos minutos
pedimos memórias
e o pensamento adormece acordado?
Entre o sono, a cor e o pensamento,
apaga-se a noite, calmamente!

segunda-feira, 24 de março de 2014

Vazio

foto by ALF

Como te alias sem saber!
Esvazias-te de sentimento só para não sofrer!
Ouves-te calado, surdo de intenção,
silencias o recado entrando em comunhão!
Deixas sinais marcados,
tal bote que morre sem água,
desidratas no tempo
e no tempo curas a mágoa!

domingo, 23 de março de 2014

Sei olhar o rio

foto by Luísa

Sei olhar o rio como mais ninguém o faz
Olho-o e sorrio, oiço-o apenas, já me satisfaz!
Sei-lhe as vidas,
as cores com que passa!
Conheço-lhe as dores
e quanto corre em desgraça!
Sei olhar o rio como um cúmplice de aventura:
ele não pára a passagem
e eu, ofereço-lhe o pensamento,
numa redação feita na sua margem!

sábado, 22 de março de 2014

Impulsos

foto by Luísa


Segue sendo tempo que a vida não pára!
Segue, vai ligeiro
e quase ninguém repara!
Conta e soma o vento que o tempo não pára!
Alegre se oferece às gentes
que o olham e desmascara!
Será que a cabeça pensa
o quanto o tempo mata?
Se pensar morre mais cedo
que a vida se remata!

sexta-feira, 21 de março de 2014

Teimosia em ficar

foto by Luísa

Olho pela janela e sinto a chuva cair!
Cai feroz, violentamente, cai mesmo sem pedir!
Traz ruídos não apetecidos e
aromas tão pouco sentidos!
Traz teimosia na queda,
roupagem húmida, fria, nunca se mostraria mulher!
Trajou-se primavera de outrora,
dos tempos idos embora,
das sementeiras de samarra,
do velho que espreitava e ria!
Veio teimosa em ficar,
a chuva que não nos larga!

quinta-feira, 20 de março de 2014

Segredos

foto da net

Dizes-me baixinho ao ouvido,
como quem segreda o desconhecido:
- Serás minha, no fim?
E, num tom cúmplice de desafio, ouves dizer-te em resposta:
- Porque não? Programei a vida assim!
Sorrimos entre olhares, 
sossegamos a dúvida
e
deixamos a existência tomar conta dos dias que passam...

quarta-feira, 19 de março de 2014

Ruas por viajar

foto by Luísa - Pinhal de Ofir

Quantas vezes fazemos trajetos
por rua já calçadas?!
Pisam-se as pedras,
ouvem-se as pessoas,
sentimos o canto dos pássaros
num tom macho de ecos cantados!
Passamos ligeiros,
apressados com a vida,
corridos de intensa existência,
avençados de estar...
...cansados!
Vamos andando,
trajeto atrás de trajeto,
num passo veloz,
vivendo a vida,
esquecendo-nos de nós...
...por ela ser tão sentida!
Trajetos, meramente trajetos!

segunda-feira, 17 de março de 2014

Embrulhaste a praia num frasco de vidro

foto by Luísa - recordação da Licas da Praia do Morro Branco

Viste colher as areias e escolhê-las para pintar!
Quem sabe, acomodar grão a grão, e deixar
a praia enfrascar?
Embrulhaste a tua visão
 e
trouxeste-me o roteiro de verão...
Todos têm a tua delicadeza!
Em todos sinto o teu olhar de perto
ao areal mais branco,
que o sol pinta de várias cores,
e deixa trazer no bolso,
numa mostra de arte manual!

domingo, 16 de março de 2014

Faz-me falta.

foto da net

Falta-me um café,
um pouco de líquido amargo e quente,
de aroma único e inspirador, até!
Faltam-me as folhas brancas por desenhar,
as páginas de um livro aberto para sonhar...
Faltam-me a mesa, o lápis, o cheiro a pó,
a almofada enrodilhada e a manta para pisar!
Falta-me vontade de escrever,
aquele bichinho que fala mudo e motiva
a dança das teclas até o texto aparecer...
- fazes-me falta!

sábado, 15 de março de 2014

Bruma

foto by Luísa - 14-03-2014

Fica no segredo dos deuses o que o nevoeiro escondeu!
Talvez guarde a tristeza do dia que já acabou, morreu!
Levou na bruma o olhar de soslaio que alguém prometeu,
ou,
 enlaçou no cume o sorriso que queria ver...mas não apareceu!
Quando a névoa tocou o solo,
o segredo evaporou,
e o coração condensou todo o sentimento,
num momento eterno de ternura...






 

sexta-feira, 14 de março de 2014

Carvão..nas mãos do artesão!

foto da net


Vês bem a cor da lida?
- Está surrada em tom de zelo,
em cada linha desenhada pelo trabalho!
Tem sinais de fogo por acender,
feridas não marcadas,
pedaços de carvão por arder!
Se sentisses o cheiro da matéria!
Se ouvisses o estalido rouco e seco ao se desfazer,
perceberias a negra delicadeza da matéria
que se transforma em combustível e se prepara para cinza ser!
Nas mãos do artesão, vi o carvão a nascer!

quinta-feira, 13 de março de 2014

Escrevo amor

foto by Luísa

Escrevo amor, por amor à escrita!
Sinto cada palavra minha refém
numa prisão faminta de liberdade.
Escrevo amor, por gostar de sonhar,
de inventar o voo dos pardais
e viajar devagarinho...em bando!
Escrevo amor, por sentir o pulsar das letras
quando te escrevo sobre o sol, o verde e o azul,
o cheiro das flores e o movimento das formigas!
Escrevo amor, por sentir que em cada novo dia
há um vício sedento de escrita,
sabendo que o amor é o tinteiro,
e o papel um pouco de visão
na cegueira de um sonho...
 

terça-feira, 11 de março de 2014

Intervalo

Sem imagens
Sem legendas
Sem palavras
Cem imagens publicadas
Cem legendas atribuídas
Cem palavras aplicadas
Seis são as frases redigidas que terei que multiplicar por cem
no prazo de um mês.
Vou tentar e volto já!
;-)

domingo, 9 de março de 2014

Nós

foto da net


Quando em ti penso
prendo-me a nós!
Não em mim e em ti,
mas nas voltas dadas nos dias
nos enlaces programados no momento
nos ditados improvisados no tempo que se segue!
Penso na visão antecipada e programada
na volta já dada
e envolta na geometria da vida!
Nós?
Só aqueles dados com a firmeza de sermos dois,
de sermos nós!

sábado, 8 de março de 2014

Tempo por vir

foto by Luísa- Bayona/13

Observo o destino
e quase que o vejo encantado
envolvido em sonhos
que levitam nas nuvens!
Observo o futuro
e quase que o entendo com boas abertas
rasgado em bons mergulhos
que afundam nas ondas por formar!
Observo o que está por vir
com um sorriso intenso no rosto
sabendo que o destino é meu
e que o vejo todos os dias,
envolto em  mantas de algodão,
na linha que une o céu ao mar!





sexta-feira, 7 de março de 2014

Crepuscular

foto by Luísa - 2013

Sentem-se as cores do coração na barra do horizonte,
quentes, intensas, abrasivas de satisfação!
Sentem-se os voos invisíveis dos beijos dados,
os dedos traçados entre mãos
num aperto sentido  de paixão!
Para cá da linha, guardam-se os desejos segredados
numa penumbra de esperança que todo o futuro more ali!
Além, mostram-se tons claros de leveza no sentir
num momento de vida crepuscular,
marcado pela linha do olhar a dois...




quinta-feira, 6 de março de 2014

Descalça no rio, calcei-me de ilusão

foto byALF - Aldeia do Pontido - Fafe

Foi quando ousei pisar o rio
que o senti suave no seu passar!
Descia calmo, prudente,
com permissão para o calcar!
Quantas histórias lhe ouvi!
Quantas narrações ledas e calmas!
Foi nas límpidas águas do rio
que me descalcei, sentei e sorri,
mesmo só por o sentir passar!
Descalça no rio estive,
calçada de uma bela ilusão...
 

quarta-feira, 5 de março de 2014

O céu como modelo, numa passerelle natural

foto by Luísa - Bayona


Já vi o céu de tantas formas vestidas!
Vi-o despido de folhos, sem franzas,
apenas com traje de cetim azul, bem estendido e passado!

Ultimamente, via-o de luto!
Ora negro, ora cinza,
ora com raios prata que lhe decoravam a veste!

Mas, no dia em que o guardei na máquina,
ele envaideceu-se e vestiu-se a rigor,
numa tentativa louca de baralhar o guarda-roupa
e em festa se apresentar!

Vi-o belo, elegante,
vi-o em festejos de comunhão numa gala prêt-à-porter,
na passerelle imensa do bom gosto,
com o oceano a aplaudir!

Já vi o céu vestido de bronze, oiro e prata,
num ensaio de tempo a observar!


terça-feira, 4 de março de 2014

Saudade3

foto da net

Arrisco falar de saudade:
daquele aperto sentido no peito,
do nó dado no coração,
da secura que trava a boca!
Falo da saudade,
do tempo ainda não vivido,
do riso que ficou por dar,
ou do toque roubado e fugido!
Saudades do  que não tive,
saudades do que não sou,
saudades, simplesmente saudades,
saudades do tempo que passa ou já passou!


segunda-feira, 3 de março de 2014

Máscara

foto by Luísa

Na folia do dia, dei descanso à máscara!
Entre o repouso merecido e a agitação da vida
descalcei os sapatos e poisei o olhar sobre a felicidade!
Hoje é dia de sarau,
de bailes animados
e
 de conversas entre amigos disfarçados!
Hoje talvez seja dia de não sair,
pois a maior parte dos dias,
ninguém tira a máscara que opta por vestir!
Intervalo no ritmo da dança!

Afinal, vive-se carnaval todos os dias!

domingo, 2 de março de 2014

Chove há tanto no meu jardim

foto by Luísa - o choro do jardim

Chove há tanto no meu jardim
que a relva virou capim
e as orquídeas não desabrocham para mim!
Chove há tanto no meu jardim
que o lírio abriu eclético
e curvou diante gotas que caem sem fim!
Chove há tanto no meu jardim,
chove um tempo de inverno
de choro incessante das nuvens
que me inspiram numa redação carmim!



sábado, 1 de março de 2014

Um olhar de perto1

Aldeia do Pontido - Queimadela - Fafe

Entre a sombra e a luz
Entre a terra e a pedra
Entre o azul e o verde
mora um olhar sereno de inverno!
Talvez bebido de lucidez,
embriagado de beleza natural,
talvez pestanejando alegria por lá ter parado!
E o som que por lá se ouve?
Tem cor de queda de água, deslize de agilidade em cascata,
sabor de alegria por morar entre o céu e a terra,
num cantinho guardado só por este olhar.
De perto?
Tudo é muito mais belo!