terça-feira, 30 de setembro de 2014

Foi assim...

Foi assim,
sem texto, sem ensaio
sem cores e sem tom!
Foi assim o mais carregado som da tua voz!
Marcas que ficam e perduram
Sinais de ti que sempre duram
E no maior ruído de saudade
aumento o som
para te ouvir falar!
Foi assim,
um sinal de ti em mim!

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Passando...


Escrever, não sei
Ler, não aprendi
Guardar a estante vazia foi lei
Do tempo que ainda não vivi!
Se guardar o lápis me fizesse escrever,
(talvez uns livros redigir),
encheria as prateleiras de casa
de lombadas a sorrir!
Passando pelo papel,
redigi um texto solto...
...e, dando conta que não sei escrever,
recolho-me, já morto!


domingo, 28 de setembro de 2014

ao amar...

Sem olhar, Sem ver
Sem tocar, Sem sentir
Sem ousar sequer perceber
O que a alma ditou ao devir!
Com visão cega
Seguiu o caminho por traçar
Pisou as pedras do chão
Deixando a marca dos passos por dar
num relance de tempo dado a amar!
Foi.
É.
Assim sempre será!


sábado, 27 de setembro de 2014

Tinta

Em branco
pintas de branco o papel do dia
sem traços
nem riscos para escrever!
Falta-te tinta,
cor,
falta-te acreditar,
olhar e ver que a cor é unicamente uma:
aquela que tu queres ver!





quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Olhar

foto de Luísa - Fafe

Abro os olhos e vejo o sol,
uma luz que me acorda de madrugada!
Um traço de brilho
que me espevita cama fora
só para o ver chegar!
É uma janela só minha
Aquela que abro livremente e fotografo
numa captura de imagem
que me permite vaguear mundo fora...
Pelo olhar, aqueço o dia! 

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Assim...

foto de Luísa - Parque das Nações - Lisboa

Acordar,
sentir o cheiro do Tejo
ouvir o som do silêncio
e
voltar a adormecer!
Dormir,
tocar os sonhos com as pontas do dedo
e
despertar!
Talvez por ali o sono acorde
o sonho volte a dormir
e
deixe viver quem livre sente
a vontade de sempre sorrir!


terça-feira, 23 de setembro de 2014

Saudades de António Ramos Rosa

desenho de António Ramos Rosa - oferecido por Gisela Ramos Rosa -  2009
Obrigada aos dois 
Sei ler-te, se devagarinho!
Tento soletrar a mensagem que deixas
E repeti-la pelo olhar!
Lembrar a tua dedicação ao
"funcionário cansado"
e reproduzir pedacinhos de ti
um dia de cada vez:
"A noite trocou-me os sonhos e as mãos
dispersou-me os amigos
tenho o coração confundido e a rua é estreita"


Poema do Funcionário Cansado, António Ramos Rosa





segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Toque de Cores


foto de Luísa
Quantas cores tem o sol
quando o céu se veste de véus?
Tantas quantas o olhar deseja
e o amor abraça!
Todas aquelas que o sonho pinta
e o sorriso esboça.
Quantas?
Tantas quantas vejo pelo tom do toque...


sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Diálogos pelo olhar

Ouviste-me falar a sorrir,
dizendo num tom envergonhado
o quanto gosto de cá vir!
Não é pelo que vejo,
nem pelo que te oiço dizer,
é pela cor das palavras
quando me medes sem querer!
Falas de mim pelo olhar,
sem a mim nada dizer!
Enalteces, exagerado,
um rosto redondo, expressivo,
que pelos olhos também te diz:
-"muito mais que um grande amor,
és também o meu melhor amigo!"

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Sentes a chuva

foto da net

A felicidade anda de barco
Sobe na queda dos pingos de chuva
deslizando suavemente pela pele do rosto!
A ilusão do sentir
embrulha-se num sorriso livre
entre o plátano que abriga a vida
e o rio que sustenta o seu passar...
A felicidade mora aqui,
no tom de voz da chuva,
nos brados largados entre nuvens.
Podes sentir?
Não chores a chuva...
sorri porque a sentes cair!



terça-feira, 16 de setembro de 2014

Marés de letras

foto da net

Leu todas as notícias
vagueou por todas as páginas
decorou os sentidos do parágrafo sul
e remou!
Entrou em circulo
definhando em redemoinho feroz.
Ficou tonta,
cansou de marear  afogando aos bocadinhos!
Tripulou os botes carregados de fragilidade
e um dia
superou as marés, amar(ou).
Chorou todas as letras
corrigiu todos os erros e continuou...
...errando em cada maré!





domingo, 14 de setembro de 2014

Entardecer

por do sol - By Luísa

Já no fim da tarde
Aqueceu o dia com o olhar, sorriu!
Sentiu o calor do mar nos seus pés, avançou!
Era ali que tinha a certeza que podia caminhar,
caminhou!
Andou, perfurou ondas espumadas de alegria, sentiu a aliança de oiro fundido no seu mar!
Saiu em silêncio...com ganhos de entardecer!



quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Ver o rio

foto de Luísa

Poderia olhar o céu
Teria poder para molhar as mãos nas águas que passam e sorrir à luz do sol
Conseguiria ter sonhos da margem que abraça o rio
e do âmago do leito que o acolhe
Quem sabe sentir apenas o seu correr...
...ouvi-lo ágil no seu passar!
Talvez sem medo
Apenas com vontade de olhar!
 

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Brisas do norte...


foto de JOÃO MENÉRES - www.grifoplanante.blogspot.pt

Regresso aos dias verdes da serra
aqueles em que me vejo por entre folhas
e na terra escrevo serenidade!
Voltei para dentro de mim
numa viagem de olhares imensos
entre o azul raiado de branco
num céu inscrito de saturação!
Vim ver-te verde,
beber-te da frescura minhota
e dizer-te que o amanhã mora aqui,
nas folhas dançantes dos teus ramos
que se pavoneiam ao ver-me sorrir!
Cheguei antes de te ver despir!

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Para ti


foto by Luísa
Já não lês o que escrevo nas nuvens
Nem aprecias as palavras que dito ao céu
Não ouves a redação do fôlego soprado ao vento
Nem atentas ao meu olhar perdido na lua
Ler para quê se me sentes sempre tua?
Melhor fechar o livro ,
ouvir-te  na dissertação do silêncio
e gritar bem alto ao mundo:
O amor nunca acaba...e sempre será assim!
(pelo menos para mim)

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Voos sem asas

foto by Luísa

Mesmo que chova
que os dias acinzentem
que o calor entre em fuga
e se dispersem as aves...
Mesmo que o sol hiberne
o céu se vista de nuvens
que se cubra de segredo
e não revele o seu estado...
Promete que abres as asas
que acolhes a bondade
abraças a fragilidade
e festejas as falhas...
...tolerando!
Só quem voa percebe a rota traçada.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Onde mora a calma...

foto by Luísa

Deixei de escrever só para te poder ver
Arrumei as letras na mochila e lacei-as,
 por tempos, no nó da falta de inspiração!
Consegues ver o que eu vejo?
Sentes a calma que mora ali?
- Vejo as cores da ternura
e um pouco de mim apaixonada por ti!
E, neste sentir, voltei a abrir a mochila,
a desarrumar as letras
a puxar pelo lápis...
...e arriscar chegar até ti, por aqui!

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Mar

foto by Luísa
Tens o sorriso que imaginava
A doçura nas palavras e a calma iminente na voz!
Tens mel na imensidão do olhar
que me cruza e faz parar!
Tens o som do silêncio quando preciso
e o tom seguro de água agitada!
Tens um brilho que ofusca ao luar
e um reflexo de duna doirada
neste tão imenso lençol de mar!
Tens-me conquistada...

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Palavras escritas ao sol

foto de Luísa

Escreveste as palavras devagarinho
como quem as guardava num lenço fino de linho
Deixaste-as surtir o efeito do sol
corando-as lentas e de mansinho!
Apareces em texto corrido
ensaiado de tempo já passado
numa lição vivida sem horas
numa hora solar sentida...
...em presença da tua vida!