terça-feira, 29 de junho de 2010

Uma flor para Myra Landau!



Um dia, quando souber escrever,hei-de oferecer-lhe palavras,
Juntá-las com jeitinho numa redacção digna dos Mestres!
Um dia, quando souber cantar, dedicar-lhe-ei uma canção,
Com lírica e harpa a acompanhar, digna das Senhoras distintas!
Um dia, quando souber dançar, hei-de dedicar-lhe um bailado,
Com coreografias singulares, digna de alguém que aprecia arte!
Um dia, quando souber talhar a madeira, enviar-lhe-ei um escultura,
Com contornos de delicadeza, digna de um ser que olha a vida com sabedoria!

Um dia, querida MYRA, hei-de saber ser-lhe igual!
Muito, muito obrigada!

sábado, 26 de junho de 2010

Dicionário dos Fafenses de Artur Ferreira Coimbra

Lançamento da 2.ª Edição do livro "Dicionário dos Fafenses", do digníssimo Artur Ferreira Coimbra.
Um elogio aos "filhos ilustres que se distinguiram, ou salientam,...,pela acção nos mais diversos domínios da vida social, política, económica, desportiva, religiosa ou cultural."


O autor, Artur Coimbra,com um dos filhos adoptivos da terra, Justino Vieira Vilaça.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Bom dia!

foto da net


Acordar, olhar o dia e dizer "bom dia"!
Abraçar o imenso céu azul e senti-lo nosso por mais um dia.
As nuances que, por vezes, escondem o sorriso,
desvanecem na alegria de enfrentar o novo dia.
Vida!Partilha de sentires e saberes!
Observatório dos que deambulam por ti sem de ti perceber!
Vida! Aqui vou eu, rumo a ti para te aprender!

domingo, 20 de junho de 2010

O que escrevo no sentido da luz...

foto da net

Ofereceste-me o lápis para com ele marcar caminhos
Acompanhaste-me no seu traçado sem rasuras nem desalinhos!
Por vezes, interrompi trajectos, optei por outros traçados,
dei uso ao pregaminho, marcando nele momentos passados!
De todas as rotas desenhadas,
foram os passos em frente que me definiram e formaram novas rotas!
Nestes traços desenhados, vejo a luz do meu caminho,
por vezes ténue...por vezes intensos de carinho!
As linhas que descrevo veem algo continuo,
veem a claridade na frente do percurso!
A regulação da sua intensidade,
está nas mãos que escrevem o destino!

terça-feira, 15 de junho de 2010

repouso suave...

foto de J. Costa, do http://fotosmarinheirocosta.blogspot.com/

Ancorei da azáfama do dia, reservando-me o direito de parar!
Espelham-me as águas da Ria, como quem mostra o repousar!
Ao longe, vi o sol deitar-se, dando luz a outras gentes.
Vi a lua levantar-se trazendo a meia-luz condizente!
As águas pararam por respeito à energia da calma sentida!
Quando esta penumbra se apagar, voltará o rasgo de um novo dia.
Virá a labuta abençoada, encarada com alegria...

domingo, 13 de junho de 2010

Olhar e ver...

foto da net

Fui andando, caminhando, observando...
Dei conta dos passos dados, dos aromas encontrados,
dos sons no céu tocados e das cores do campo anunciadas!
Caminhei livremente pelo campo, senti no ar o anuncio de pureza,
o aviso das aves no ar e o toque do vento sorridente nas papoilas!
Nesta leveza dos dias, consegui olhar e ver,tocar e sentir,
inspirar e absorver todos os sinais de vida que a natureza tem para oferecer!
Por entre verdes ramas, erguem-se pirilampos laranja que acenam às nuvens,
piscam olhitos negros ao sorriso de um ser que passa e as contempla!
Um presente a quem vem olhar e ver...!

sexta-feira, 11 de junho de 2010

A delicadeza do SER - JOÃO MENÉRES

foto da net


Hoje, enquanto ouvia os saltos à corda, as gargalhadas do "saltar à macaca",
as risadas contentes que adivinham férias, decidi abrir o correio!
Entre envelopes vários houve um que me prendeu a atenção!
Esse, trazia magia, trazia bom gosto, trazia um gesto personalizado!
Um sinal de amizade a trejeito de lembrança que aqui mora um SER!
Houve alguém que me fez sentir que o que se diz é ouvido,sentido e entendido...
Alguém que traçou um sorriso num rosto aplicadamente circunspecto!
A ti, estimadíssimo SENHOR,
deixo o meu mais suave sorriso, com votos de muito sucesso na ARK!

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Arte involuntária...na vida!



Num momento de repouso, ousei olhar o céu!
Vi-o estendido de azul, suave, sem manchas!
Senti-o um bom conversador no silêncio...
Qual Rembrandt, traçou uma pincelada na imensidão azul,
deixou-se pintar de branco e fez um rasgo no silêncio!
Em observação extasiada, estava eu, de repouso!
Questionava a sua serenidade perante as pinceladas involuntárias!
Tentava aprender a reacção aos traços deixados,
para que jamais deixassem marcas!
O céu não se viu ofendido!
E eu, aprendi com ele a não me deixar ofender!
Todas as pinceladas que ousarem pintar no meu quadro de vida,
farão de mim a mais bela obra de arte...
...numa "ronda diurna" de aprender a vida sem me deixar ferir!