Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2013

O riso da natureza

Imagem

Do tamanho do mundo

Imagem
foto de João Menéres - www.grifoplanante.blogspot.com

Lembro-me de ser pequena e imaginar o mundo do tamanho da minha aldeia. Imaginava-o grande, organizado, perfeito de cor e bem aprumado! Mas, do sonho criado num salto dado, pulei a órbita da terra e descobri que para além do imaginário existe o real que nos pinta o mundo de outras cores, e nos dá a paleta de comando. Hoje regressei ao passado da sinceridade de criança e vi como é belo o trecho escrito nas linhas da esperança!


Papel surpresa

Imagem
foto da net
Cheira-me a papel surpresa! Áquele papel que se abre e sente o silêncio doce das palavras por escrever! Sinto o odor da fragrãncia e do aroma que há em ti, mesmo antes de te ler! Espero uma carta tua, como aquela que escreveste um dia  com o relato do teu olhar... ...no retrato de mim em ti, ao ver-te chegar!

À amizade

Imagem
foto da net
Eis o dia em que se canta a amizade E dela se enamoram os iluminados de boa vontade! Aquele dia em que o olhar de amigo conforta e acolhe, num refugio vádio e sem dono! Amigo só por ser amigo! Dádiva, pelo prazer de outorgar no outro um sentimento de si!


Oiro esculpido na praia

Imagem
foto de JOÃO MENÉRES - Dunas
Lembro-me de soprares em tom de flauta e de varrer o chão em ondas... Veio o vento, a quem deste preferência para te moldar e deixaste o sol poisar devagarinho para te pintar! De oiro foste pintada e ondularam-te  suave e terna na receção ao mar! Neste teu tão belo enrolar, renovas-te devagar,  modificas a tua forma subtilmente, para que quem passa não se perca a contemplar!

Quando te falei do azul

Imagem
foto de João Menéres - Azul
Quando o pensamento chama baixinho e vem suave, delicado, ternurento até... ...sopra supremo num tom que não esgota! Cobre de azul a ideia de vida, de agilidade, de corrida com fé... ...como quem se chama céu  e mal se nota! Encontra no infinito a agitação, o burburinho sussurrado da faina amainada das marés e pinta-se de azul! Entre ambos, moras tu, eu e todos os olhares que por cá passarem só para te ver naturalmente: pintada de azul!



E quando te falei do verde...

Imagem
foto de João Menéres - Vale da Achada - Ilha Terceira - Açores
E, quando falei do verde? Daquele que preenche os dias pelo observatório do sonho? Fizeste a melhor e mais sábia leitura, Pintaste cada recanto  da cor da esperança e deste asas à imaginação literária! Leio cada canto como quem pinta uma tela! Observo cada estrofe como quem aprecia a escultura do relevo, e nos voos adiados levo comigo a vontade do imenso traje verde...

Pedi a Lua

Imagem
foto de João Menéres

Pedi-te um ponto de inspiração, de sonho... - Talvez a lua - dizia-te eu! ...onde só alguns chegam pelos degraus das letras! E, na devolução do ponto, encheste-o de luz  brindando-me com o teu mais subtil olhar traduzido num especial "click", onde o teu toque se faz objetivamente pela lente.
E da lua que te direi eu? Que a sonho tão perto, tão minha, tão do mundo e do céu! Dir-te-ei que a aluguei, que pago a mais bela renda ao criador por ma deixar contemplar! Da lua, confesso-me cumplice, aliada,  parceira das letras que a descrevem tao circular! Conto-lhe os meus segredos desvendados, numa noite abrilhantada pela conivência do olhar! Hoje, sorri à lua e ela apresentou-se cheia, a brilhar!

Pedido a um amigo...

Imagem
foto de Luísa - pedido a João Menéres Preciso de uma foto da lua para sobre ela falar! Talvez um céu sem luz com uma bola branca acabadinha de pintar! Ou uma circunferência perfeitinha contrastante com o pano de fundo...
Preciso de algo diferente! Algo que me provoque e leve a escrever! Arranjas-me uma foto da natureza verde ou do azul do mar? Ou uma do amarelo das dunas, prontas a com o vento mudar...
Talvez nem precise de nada! Talvez hoje me tenha apetecido somente dizer-te olá E nessa saudação lembrar-te...

Com quem estarei eu a falar?

Serenidade

Imagem
foto da net
Deixo as palavras voar na suavidade do véu e permito-me olhar frágil na serenidade segura de te amar! Pinto-te quente, tal sol que ampara a minha mão
e me deixa adormecer presa à ansiedade de acordar...
Do pico da montanha, dou-te olhos de esperança
como quem segura firme na serenidade de um novo alvorecer!
Por ti, contigo para amar! 



Do trabalho que me ofereci, vi-vos crescer rosa

Imagem
foto de Luísa
Foi há alguns anos que te poisei na terra com mãos orgulhosamente empoladas de trabalho! Limpei-as do cansaço e fertilizei-as de felicidade!
Olho-vos mimosas, esbeltas, graciosamente pintadas de meninas! E que belas hoje estais! Abris-vos num sorriso esteticamente natural, que beijadas pelo sol, vos ofereceis só a mim e a todos que passam!

Por ti...não poisarei o olhar

Imagem
foto de Ana Luísa

Se olhar em frente amedronta, então poisarei o olhar! Deixarei fluir o discurso do teu método, rumo a uma epistemologia do novo ser! Sabes ler as legendas no meu olhar, e nelas interpretar a fé e a ciência! Sabes da minha hipótese formar a tese, e com ela ser racional e construtivo. Não! Não poisarei o olhar... ...prefiro inflamar os olhos de esperança!