quarta-feira, 22 de agosto de 2012

A olhar o céu...

Foto de Luísa Vilaça



Deitei-me a olhar o céu...
...vi-o coberto de nuvens em castelo,
daquelas nuvens imensas de branco,
em alianças desorganizadas numa união que vedava o azul!
...vi-o a querer despertar,
num acordar suave de verão,
com sinais de presentes de sol!
...vi-o sorridente, por entre os poros indecisos das nuvens que se agrupavam
e empurravam para sul!
Fechei os olhos e vi o céu,
vi-o aliado dos alienados,
inspirador dos desejos sonhados,
e parceiro das loucuras agarradas no nada!
Deitei-me a olhar o céu,
numa manhã de verão acordada de um sonho!


6 comentários:

  1. Uma delícia olhar o céu.Sempre lindo!! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. Também eu me vou deitar a olhar um céu assim e espero acordar sem os pesadelos dos últimos dias.
    Amanhã, o tempo deve estar um pouco mais fresco do que nesta terça-feira em que um senhor , aqui na Praia da Rocha, morreu de insolação e, por este Portugal acima, as vagas das marés vivas roubaram a vida de pessoas que apenas procuravam refrescar-se à beira-mar.

    Parabéns, Luísa, por este poema dedicado ao céu e aos sonhos, com que marcas a tua reentrée.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. O céu é aliado dos aliendos e sonho com eles a alucinação do horizonte sem fim. Bjs.

    ResponderEliminar
  4. ..e parceiro das loucuras agarradas no nada"
    adorei esta frase! alias todo o poema...
    beijos

    ResponderEliminar
  5. [intenso acordar no mundo,

    despertar o mundo.]

    um imenso abraço,

    Leonardo B.

    ResponderEliminar
  6. Luísa você descreveu tão bem esses loucos que se permitem ficar horas a olhar ao céu, a falar sozinhos.
    Que bom que alguém os entende.
    Que bom que você me compreende.
    Beijos!

    ResponderEliminar

Olhares de perto