quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Sopro do norte

Luísa - foz do Cávado - agosto 2013

Soprava tão devagar...
...dançava pelo capim e assobiava.!
Soprava tão delicado...
...rodopiava entre a surpresa e o encanto da flor que o olhava!
Sentia...
...movia as sensações entre rubor e a certeza de se abraçar ao vento!
Na simpatia da natureza,
sente-se alegria por sentir o vento poisar!



3 comentários:

  1. Eu vejo o manso vento
    mas não é tão manso assim...
    Se fosse, não assobiava o capim.
    Deixa que poise o meu olhar lento...


    Gostei da imagem e das palavras com que o poema fizeste.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. ...dançava pelo capim e assobiava.!
    A xente cando assobiava..era feliz, os ventos eran propicios..e as ansias tamèn.
    Esta muller,Luisa Vilaça, cada dia lèvanos ao regueiro mais fertil dos ventos ...

    ResponderEliminar
  3. assoviar no capim, LINO mas abracarme ao vento , jamais, me levaria:)
    lindo Luisa, e a foto e espectacular!!!!
    bjosssssssssssssss

    ResponderEliminar

Olhares de perto