segunda-feira, 22 de junho de 2015

Sempre que...

Sempre que o céu escurece
e a luz se embrulha no brilho,
há um sinal de recuo 
e avanço seguro no trilho!
Sempre que a lua se vira 
e apaga a claridade do sonho
há um olhar sereno
 na noite que deita as estrelas!
Sempre que recuas e avanças,
sempre que mostras e escondes,
há uma aroma no ar
que de ti cintila e espalha!
Sempre que partilhas, silenciada,
a etiqueta do amor vem pregada
na lapela da melhor jaqueta do ser!
Assim, como só tu saber (a)parecer


2 comentários:

  1. Só agora outros afazeres me permitiram ler o teu magnífico SEMPRE QUE..., Ana.
    Desculpa mas sei que compreendes as minhas ausências ( e não os meus recuos ).

    Um beijo muito amigo.

    ResponderEliminar
  2. Sempre que recuas e avanças,
    sempre que mostras e escondes...
    Que lindo poema Ana. Amei!
    Um abraço e uma linda noite pra ti.
    Serena.

    ResponderEliminar

Olhares de perto