quinta-feira, 31 de março de 2011

Quando as emoções são vozes caladas...

foto de Luísa


São rebentos verdes, tenros e vivos!
Chamam pelo sol e com ele convivem!
Tornam-se o cenário perfeito para uma nova estação que se partilha
com o aroma dos abetos que cá estão...
Apreciar o tempo e prometer que com o tempo todos disfrutam do seu crescer.
Olhamos-te ansiosos,
 tratamos-te como uma história especial,
 embalamos-te com o sorriso da canção mais bela que a natureza nos oferece.
Uma força natural que desenvolves...
...que já agradece a brisa que vem num fim de tarde que cresce,
e que com os teus ramos verdes, tenros e vivos,
ouves as emoções das vozes caladas!

7 comentários:

  1. .."ouve as emoçoes"..., lindissssimo!
    que bom que gostou, é um simples collage de um jornal onde se veem os edificios todos iguais...como aqui onde moro:)))
    beijos
    qdo for ao centro te conto...ainda nao posso...

    ResponderEliminar
  2. Belíssimo poema, querida amiga Luísa.
    A excelência mora em ti, porque a revelas nas tuas palavras.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Disseste bem :
    > ...que já agradece a brisa ...<

    Andei na Foz à tarde a tentar fazer uma imagem.
    A certa altura, já bufava com o calor que veio de repente.
    Fui para junto do paredão e lá abençoei a brisa que do mar vinha.


    Um beijo, LUÍSA.

    ResponderEliminar
  4. É a Primavera Luísa, contagiante e colorida que fluí também dentro de nós.

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  5. Luísa, um belo poema!
    Fazem lindos diferentes de plantas e de árvores têm folhas diferentes verdes, e existem vários na Primavera!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. As nossas emoções tendem a se fazer presente, de diferentes formas! Colocou-as bem aqui amiga!

    Abraços renovados!

    ResponderEliminar
  7. Enfim, reencontrei-te. Em Boa Hora... amei o Poema.
    Bj

    ResponderEliminar

Olhares de perto