sábado, 3 de março de 2012

Ouvir verde...

foto da net


Ouvir verde no som do ar
Deixar elevar a vontade de lá fora respirar...e mudar!
Olhar o tom da natureza e saber pincelar as nuances a mudar.
Saborear a cor natural e sorrir à palidez dos dias ainda por pintar!
Na pigmentação das telas, deixar enaltecer o tronco eclético
Dar-lhe o doce toque de estrutura firme e segura
Da sustentabilidade do riso à vida,
numa árvore de troncos por explorar...

8 comentários:

  1. Hoje, o Sporting, como jogou em Setúbal, vestiu-se de preto e perdeu outra vez...Fica pró ano !!!
    Entretanto, vou resfatelar-me à sombra dessa árvore verde a deliciar-me com este teu maravilhoso poema de OUVIR, de OlHAR DE PERTO e SABOREAR cada PALAVRA.

    OBRIGADO, LUÍSA !

    Um beijo ( ou mil ? ).

    ResponderEliminar
  2. BOM FINAL DE SEMANA.
    COMO VOCÊ ESTÁ??
    PASSEI PARA DEIXAR MEU CARINHO.

    "O valor das coisas não está no tempo em que elas duram,
    mas na intensidade com que acontecem.
    Por isso existem momentos inesquecíveis,
    coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis".
    (Fernando Pessoa)

    CARINHOSAMENTE,
    SANDRA

    ResponderEliminar
  3. ah! minha querida poeta Luisa,tomara que assim seja...
    beijos imensos

    ResponderEliminar
  4. João, estimado Senhor,
    queda-te por cá!
    Esse verde calmo é mesmo para ti!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Lindo o poema... Mas não senti sons do vento e das árvores! Só senti a ver tremer as folhas das árvores!!! :) Bjs grande.

    ResponderEliminar
  6. Myra,
    adMYRAvel SENHORA;
    Assim será enquanto nós quisermos.
    Uma visita por dia ao PAROLE, faz-me voar sobre a arte e divagar pelas palavras!
    Muito obrigada!

    ResponderEliminar
  7. Felicia, sentiste a cor do meu sentir...mesmo sem vento com folhas a bulir...
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Olhares de perto