sábado, 26 de maio de 2012

Ondas do imaginário no rio que passa...

Vi-te rio ondulante
Enfeitado de cor e som!
Corrias serenamente para o mar
onde na imensidão te irias perder...
Ias na ansiedade de chegar,
de te fundir no desconhecido e lá te poderes encontar!
Na passagem que levas, trazes a brisa,
deixas-nos a vontade de em ti mergulhar o olhar
e poder nadar nas ondas do imaginário...




4 comentários:

  1. [também na margem,

    se tomam as notas do correr ao mundo,
    como da nascente à foz, da semente à brisa
    também na margem.]

    um imenso abraço, Amiga Luísa

    Leonardo B.

    ResponderEliminar
  2. Já disse ao Sol para ir para junto de ti !


    Mas, serás tu que hoje vens para cá.

    Um beijo ( muito bom o teu poema !!! )

    ResponderEliminar
  3. Parabéns pelo poema.
    Muito especial e delicado.
    Amiga deixei um recadinho para ti no seu blog Paisagens de Portugal.
    sandra

    ResponderEliminar
  4. poema cada vez melhor! e é pouco o que digo!!!
    beijos

    ResponderEliminar

Olhares de perto