quinta-feira, 17 de março de 2016

Sons da serra

Foto de JOÃO MENÉRES - www.grifoplanante.blogspot.com

Tudo se calou!
Nada se ouvia para além das gotas
que escorridas de fadiga regressavam à terra!
Plic!Ploc!Plic!Ploc!
Cada pingo, cada lágrima,
um som, uma memória,
unicidade de olhares sombrios
que repousavam no silêncio da serra!
Chegou,
sentou sob a palhota,
tilintou de frio embrulhando-se no colmo!
Fez aliança de sombra.
Desfez a sua dureza,
no brilho ausente
sentada pedra sobre pedra!
Nada se ouvia,
apenas o seu olhar mostrava vida,
esquecida!

     

8 comentários:

  1. UAU!!! Foto do João e tua poesia lindas!Adorei! beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito! :) Muito bonito amiga!:) Beijinho grande

    ResponderEliminar
  3. Escrever assim não é para qualquer um . é necessário saber olhar de perto.Que dupla ! Parabéns.

    ResponderEliminar
  4. Escrever assim não é para qualquer um . é necessário saber olhar de perto.Que dupla ! Parabéns.

    ResponderEliminar
  5. Agradeço-te teres aproveitado AS MINHAS BAILARINAS para que tudo se calasse enquanto liam e reliam em pleno sossego o teu belo poema.
    Bem hajas, amiga !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. Cada palavra lida, cada palavra sentida...!
    Obrigada Luísa, um beijinho.

    ResponderEliminar
  7. sentada pedra sobre pedra!
    Nada se ouvia
    Beliiiiiisimo soño-poema .. Luisa Vilaça..non deixa de sorprendernos...Marabillosa sempre!!


    ResponderEliminar

Olhares de perto