sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Linha da (con)fusão


Há uma linha longinqua,
com almofadas de nuvens,
onde o fim do mar se funde com o inicio do céu!
Que bom seria lá repousar, recostar a cabeça e sonhar...
Passaram as velas ao sabor do vento, apressadas no navegar!
O brilho convive com todos,
raia o sol que os habita e presentei todos os dias!
Na fusão onde se confundem,
ouve-se apenas o sinal do mar e
do vento que se desloca e faz sentir o seu sonar...
Que bom seria lá chegar!
Tocar essa linha do horizonte
Sentir que entre o céu e o mar há um lugar perfeito para (na)morar!

14 comentários:

  1. Gostei muito, querida LUÍSA!

    Mais uns dias (para a semana) e já começarei a aparecer.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. ... metáforas biitas... e o amor ao mar...

    felicidades, luísamar!

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Um olhar de perto para que enxerga tão longe assim...

    Tantas linhas tenho a frente que essa não consigo ver...como muros ou muralhas que impedem o entender.
    Um mundo
    Um romantismo
    Não tem tempo definido
    Uma reta que se perde
    Numa curva invisível
    Cascatas ou penhascos
    de todos os sentidos.

    Um olhar interior para tudo o que é sensível.

    Beijos e bom final de semana

    ResponderEliminar
  5. "Tocar essa linha do horizonte
    Sentir que entre o céu e o mar há um lugar perfeito para (na)morar!"

    (Perdoem-me, estas citações merecem muito mais que um simplesmente enormíssimo comentário!)

    (Vamos solicitar UM MANUAL ESCRITO)

    ResponderEliminar
  6. Além do Horizonte deve ter
    Algum lugar bonito
    Prá viver em paz


    Roberto Carlos

    Este teu olhar quando vê de perto...

    Beijos!

    ResponderEliminar
  7. Olá, Luiza. Lindo poema, terno e sensível. Obrigado pela visita e pelas palavras carinhosas.

    ResponderEliminar
  8. Lindo como sempre.

    "Que bom seria lá chegar!"

    ResponderEliminar
  9. Que lindo Luísa,
    Lá, onde o céu e o mar se fundem,
    Há encanto e é o limite...
    Lá, onde só o pensamento chega,
    Não se sabe se o mar almeja
    Todo o céu que lhe resiste!

    Apaguei o outro comentário porque tinha trocado a ordem do mar e do céu.

    Adorei o seu poema!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  10. Há uma linha longínqua que separa a terra do mar, um traço que a força respinga, a força de lá querer chegar!
    Adorei!

    ResponderEliminar
  11. nessa fusão não há confusão, há sim vivências magnificas.

    Saudades de te ler.

    ResponderEliminar
  12. ...como preciso das "almofadas de nuvéns" para descansar a alma!

    Será possivél amarmos incondicionalmente alguém e não sermos feliz ao lado desse "alguém"???

    ResponderEliminar
  13. Que maravilha de mar :) como eu o adoro!!!

    e já reparou como a linha se curva ligeiramente revelando-nos como a terra é redonda? tenho fotos que eu pensava que estavm inclinada mas depois verifiquei que era mesmo a linha no horizonte encurvada :) como a natureza é bela!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  14. tuas palavras me fazem bem...lindas...vc. é uma grande amiga,
    beijos,

    ResponderEliminar

Olhares de perto