quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Histórico presente de aniversário de casamento


Eis uma bela história, oferecida pelo ROLANDO,
do http://entremares.blogs.sapo.pt,
como presente de aniversário de casamento. ADOREI o gesto ternurento! Obrigada, Rolando!



"Algures, num campo verde, no primeiro dia da primavera, dois malmequeres conversam entre si.
Ele é um malmequer amarelo, bronzeado e bem disposto – ela, em contrapartida, uma malmequer branca, de longas pétalas brilhantes.

Ele – Posso sentar-me aqui neste canto ?
Ela – O campo é tão grande…
Ele – É verdade… mas não te importas, pois não ?
Ela – Estou disfrutando de uma manhã de silêncio. Se não o interromperes…
Ele – Serei uma pedra...

Ele – É um silêncio gostoso, não é ?
Ela - … era…
Ele – Desculpa, não resisti…
Ela – Já era previsível.
Ele – Essa agora… porque dizes isso ?
Ela – Porque eu sou uma malmequer branca…
Ele – Só por isso ?
Ela - … e por tu seres um malmequer amarelo…
Ele - …
Ela – Vocês, os malmequeres amarelos… não conseguem resistir, pois não ?
Ele – Só pretendo um pouco de companhia… estou farto de falar sozinho…
Ela – Costumas falar sozinho ?
Ele – Por vezes, falo… tu nunca experimentaste ?
Ela – Claro que sim… mas não tenho o hábito…
Ele – É fácil para ti, dizeres isso…
Ela – Não percebo porquê… sou igual a ti…
Ele – Igual ? nem por sombras… tu és uma malmequer branca… sobressais em qualquer campo…
Ela – Conheço já esse argumento de cor e salteado… que falta de criatividade…
Ele - …
Ela – Vocês… os malmequeres amarelos… responde-me lá a uma questão…
Ele – Sim ?
Ela – Porque motivo te dirigiste a mim ? O verdadeiro motivo ?
Ele – Bem…
Ela – Não quero uma resposta do tipo “ vamos cruzar as pétalas “… quero é tentar perceber o que te seduz…
Ele – É complicado de explicar…
Ela – Essa é a resposta mais fácil. Tenta outra…
Ele – Muito bem, deixa-me pensar…

Ela – Pensas muito… aliás, pensas demasiado…
Ele – Achas mesmo ?
Ela – Acho, não. Tenho mesmo a certeza. Suponho que fazes a vida mais complicada do que ela realmente é…
Ele – Sim, suponho que sim… mas sabes, acho que o facto de seres bela ajuda a todo esse optimismo…
Ela – Claro que não. Então só os bonitos é que podem ser optimistas, é isso ?
Ele – Pelo menos, ajuda muito…
Ela – Isso pensas tu… e aliás, eu não me considero bela…
Ele – Isso é normal, é a modéstia a falar…
Ela – Não, não era isso que eu queria dizer… eu não me acho bela… mas sinto que sou uma sedutora…
Ele – Não é a mesma coisa ?
Ela – Não.
Ele – Eu julgava ser a mesma coisa. Todas as malmequeres brancas são sedutoras, então…
Ela – Não, não são… são belas. A sedução não tem nada a ver com a beleza…
Ele - ?
Ela – Pois… estás surpreendido ?
Ele – Verdadeiramente… estou. Não faz muito sentido…
Ela – A sedução é como o vento… pode tocar-te as pétalas e tu nem o consegues ver, só sabes que ele passou por ti…
Ele – Mas tu consegues sentir o vento, é uma coisa física…
Ela – Pois é… e a sedução também. Sabes… vou contar-te um pequeno segredo.
Ele - …
Ela – Consegues imaginar porque permiti que parasses aqui, ao pé de mim, interrompendo o meu precioso silêncio ?
Ele - … Por simpatia, talvez…
Ela – Não.
Ele - … boa educação, então…
Ela – Muito menos… foi só por tu seres um sedutor…
Ele – Pois claro… e agora troças de mim, a que motivo ?
Ela – Não estou troçando de ti… tu és um sedutor…
Ele – Tu já olhaste bem para mim ?
Ela – Já, claro que já olhei…
Ele – E vais dizer-me que não encontraste nada de estranho ?
Ela – De estranho ? … Não, nada…
Ele – Nada de anormal ?
Ela – Anormal ? Claro que não…
Ele – Olha… por favor, olha bem para mim…

Ele - Já contaste as minhas pétalas ?
Ela – Já, porquê ?
Ele - … e não reparaste … naqueles dois espaços… sem nada ?
Ela – Reparei.
Ele – Aconteceu-me há uns tempos atrás… um garoto que ao passar, me arrancou duas pétalas… fiquei destroçado…
Ela – Compreendo…
Ele – Sinto-me um pouco... diferente... inferior até. Portanto não me sinto nada sedutor...

Ela – Acho que não estás a ver bem a situação...
Ele - ... até já me isolei, já me afastei de todos, só por ser...
Ela - ...
Ele - ... sempre me considerei diferente, e ainda por cima, depois daquilo...
Ela - ...
Ele - ... desculpa... acho que comecei um monólogo...
Ela – Começaste... e estás a ser tonto. Já olhaste para mim ?
Ele – Se reparei em ti ? Oh... como é possível não olhar ? Se tu és...
Ela – Pára. Nem me estás a ouvir... eu perguntei se já olhaste bem para mim...
Ele - ...
Ela – E então ?
Ele - ... Absolutamente ... adorável, é o mínimo que me ocorre...
Ela – Então olha com mais atenção, por favor...
Ele - ...
Ela – Já reparaste ?
Ele – Estou olhando...
Ela – E não reparaste em nada de estranho, também?
Ele - ...
Ela – Nada, mesmo ?
Ele – Não.... mesmo nada. Aos meus olhos... és perfeita...

Ela sorriu, daquela forma estranha que caracteriza as malmequeres brancas, quando sorriem.

Ela - ... Faltam-me muitas pétalas...
Ele – Faltam ? Não tinha reparado...
Ela – Faltam, sim... faltam-me quatro pétalas... também eu tive um percalço, um pássaro mais esfomeado que me deixou neste estado...
Ele - ... sim... com efeito... agora que falas disso...
Ela – Não tinhas reparado ?
Ele - ... Asseguro-te que ... não, tenho a certeza que é aprimeira vez que reparo nisso... como é que eu não vi...
Ela - ...
Ele - ... Porque sorris ?
Ela - ... Porque pela primeira vez, estás a ser ... verdadeiramente sedutor...
Ele - ... acredita... não reparara ...
Ela - Eu sei, eu sei... mas já reparaste agora... que eu ainda sou mais imperfeita do que tu ?
Ele - ... Mas tu és bela...
Ela - Bela, eu ? Sem quatro pétalas ? Só aos teus olhos...e porque eu te seduzi...

( Tentei que fosse assim uma espécie de presente de aniversário para vocês os dois )"

8 comentários:

  1. Mas que maravilha de presente que ganhaste de Rolando que é genial!beijos e parabéns,chica

    ResponderEliminar
  2. LUÍSA

    Como já tinha deixado escrito aqui, este PRESENTE do ENTREMARES é, acima de tudo, um gesto que UM OLHAR DE PERTO merece e do qual soube tratar como uma flor!

    Um abraço para o ROLANDO e UM ABRAÇO NO CASAL.

    ResponderEliminar
  3. Um belo e inesquecível presente, parabéns ao Rolando e ao casal mais uma vez.

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  4. Que delicadeza!
    É lindo Luisa!

    Estou encantada!

    Acho que me seduzistes... rsrs


    Parabéns flor, muito bom gosto!

    ResponderEliminar
  5. belissimo presnte!!!!
    mais parabens a vocs, e outro ao autor deste lindo presente!!!!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Olá Luísa,
    Que maravilha de texto, este é daqueles quanto mais se lê mais se gosta de ler.
    Parabéns ao casal
    A Luísa om UM OLHAR DE PERTO
    tratou condignamento estes dois malmequeres.
    Um beijinho, José

    ResponderEliminar
  7. Lindo! Realmente o que ocorre quando se apaixona. Não se fica cego, acontece que a sedução faz os defeitos mínimos, eles em nada interferem.

    Parabéns ao Rolando.

    Beijos para vc, Luísa.

    ResponderEliminar
  8. Gosto muito de ler de texto respostas das perguntas... Estava um lindo fantástico um malmequer amarelo e um malmequer branco..
    Bjs.

    ResponderEliminar

Olhares de perto