segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Contagem decrescente...

foto da net

A vida consome o tempo e dele se alimenta!
Passam os dias, passam as horas,
Passam os momentos que se adoram!
Passam a rir, passam a chorar,
Passam com um brilho no olhar!
Vemos mudança!
Vemos esperança!
Desejamos o melhor para uma boa lembrança!

A todos,votos de um novo ano recheado de bons momentos!
A cada um de vocês, Feliz 2010!

sábado, 26 de dezembro de 2009



A magia continua...
... e vamos ao circo!
Vamos gargalhar, aplaudir, chorar de tanto rir!

Senhoras e Senhores,
Meninos e meninas,
até breve!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Um presente para ti

Foto da net


As renas já se preparam para a longa viagem!
Estão agitadas por virem aquecer os corações de tantas crianças!
Trazem também os vossos presentes: embrulhados em papel brilhante, com laços de seda e cheirinho a surpresa! Aquele que Lhe pedi para vos oferecer, tilinta de harmonia, paz, sucesso e muito, muito carinho. Não estranhem, esse é para vocês.
Votos de um SANTO NATAL!

domingo, 20 de dezembro de 2009


Foto da net


Preparamos no advento a vinda do Deus Menino
Que a Sua chegada nos faça crescer na bondade.

Feliz Natal,

Luísa Vilaça

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Cores reflectidas


Foto de Adágio


São às cores, são variadas,
São singelas e delicadas!
São adornos da minha árvore,
Que aquecem os ramos gelados!
Lá no alto há uma estrela
Que brilha a olhar para ti!
Dedico-ta nesta temporada,
por te ver sorrir de felicidade!
Sei que a luz vai estar acesa,
Todo o ano no teu coração!
E tu, menina invulgar
Fazes-me rejubilar de emoção!
Olha a bola da partilha...
E ali a da bondade!
Conheces todas, sem dificuldade!

Natal, para nós, é todos os dias...

terça-feira, 15 de dezembro de 2009



Ele já prepara as renas, o trenó, as luzes...
Ele já se prepara para a grande viagem!
Que todas as crianças se preparem para o receber...
Ele virá celebrar connosco o nascimento daquele menino
Aquele que nasceu lá longe e numa manjedoura se aqueceu!
Preparem-se para a grande noite de festa...

domingo, 13 de dezembro de 2009

Tempo...frio tempo


Foto da net

Passo envergonhado rumo ao destino
Vai serena calcando o chão cristalino!
O frio acompanhou-a jardim fora!
Foram ambos rumo ao lar, procurando um lugar quente!
Há sempre à espreita o medo do inverno,
há vontade de fuga glacial do frio eminente!
Aí está ele!E por ele, ela vai passar caminhando...
Vai rumo ao destino como estátua de murano!
Tudo o que ele lhe trouxer ela vai sentir,
E, com gentileza, vai devolver e não desejar novo advir!
Frio que vens na tua hora, ela não se importa que vás embora!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Sem tempo para o tempo


Foto da net


Ando mais ou menos assim, sem tempo para mim!
Corro minuto a minuto e anseio a hora da cama!
O sofá nem o vejo...e a ansiedade consome-me a alma!
Há sempre um ponteiro que meche, que roda!
Um tic-tac que me faz andar a nove!
Hoje apenas passo por aqui...sem tempo para ir aí!
Beijinho terno!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Histórico presente de aniversário de casamento


Eis uma bela história, oferecida pelo ROLANDO,
do http://entremares.blogs.sapo.pt,
como presente de aniversário de casamento. ADOREI o gesto ternurento! Obrigada, Rolando!



"Algures, num campo verde, no primeiro dia da primavera, dois malmequeres conversam entre si.
Ele é um malmequer amarelo, bronzeado e bem disposto – ela, em contrapartida, uma malmequer branca, de longas pétalas brilhantes.

Ele – Posso sentar-me aqui neste canto ?
Ela – O campo é tão grande…
Ele – É verdade… mas não te importas, pois não ?
Ela – Estou disfrutando de uma manhã de silêncio. Se não o interromperes…
Ele – Serei uma pedra...

Ele – É um silêncio gostoso, não é ?
Ela - … era…
Ele – Desculpa, não resisti…
Ela – Já era previsível.
Ele – Essa agora… porque dizes isso ?
Ela – Porque eu sou uma malmequer branca…
Ele – Só por isso ?
Ela - … e por tu seres um malmequer amarelo…
Ele - …
Ela – Vocês, os malmequeres amarelos… não conseguem resistir, pois não ?
Ele – Só pretendo um pouco de companhia… estou farto de falar sozinho…
Ela – Costumas falar sozinho ?
Ele – Por vezes, falo… tu nunca experimentaste ?
Ela – Claro que sim… mas não tenho o hábito…
Ele – É fácil para ti, dizeres isso…
Ela – Não percebo porquê… sou igual a ti…
Ele – Igual ? nem por sombras… tu és uma malmequer branca… sobressais em qualquer campo…
Ela – Conheço já esse argumento de cor e salteado… que falta de criatividade…
Ele - …
Ela – Vocês… os malmequeres amarelos… responde-me lá a uma questão…
Ele – Sim ?
Ela – Porque motivo te dirigiste a mim ? O verdadeiro motivo ?
Ele – Bem…
Ela – Não quero uma resposta do tipo “ vamos cruzar as pétalas “… quero é tentar perceber o que te seduz…
Ele – É complicado de explicar…
Ela – Essa é a resposta mais fácil. Tenta outra…
Ele – Muito bem, deixa-me pensar…

Ela – Pensas muito… aliás, pensas demasiado…
Ele – Achas mesmo ?
Ela – Acho, não. Tenho mesmo a certeza. Suponho que fazes a vida mais complicada do que ela realmente é…
Ele – Sim, suponho que sim… mas sabes, acho que o facto de seres bela ajuda a todo esse optimismo…
Ela – Claro que não. Então só os bonitos é que podem ser optimistas, é isso ?
Ele – Pelo menos, ajuda muito…
Ela – Isso pensas tu… e aliás, eu não me considero bela…
Ele – Isso é normal, é a modéstia a falar…
Ela – Não, não era isso que eu queria dizer… eu não me acho bela… mas sinto que sou uma sedutora…
Ele – Não é a mesma coisa ?
Ela – Não.
Ele – Eu julgava ser a mesma coisa. Todas as malmequeres brancas são sedutoras, então…
Ela – Não, não são… são belas. A sedução não tem nada a ver com a beleza…
Ele - ?
Ela – Pois… estás surpreendido ?
Ele – Verdadeiramente… estou. Não faz muito sentido…
Ela – A sedução é como o vento… pode tocar-te as pétalas e tu nem o consegues ver, só sabes que ele passou por ti…
Ele – Mas tu consegues sentir o vento, é uma coisa física…
Ela – Pois é… e a sedução também. Sabes… vou contar-te um pequeno segredo.
Ele - …
Ela – Consegues imaginar porque permiti que parasses aqui, ao pé de mim, interrompendo o meu precioso silêncio ?
Ele - … Por simpatia, talvez…
Ela – Não.
Ele - … boa educação, então…
Ela – Muito menos… foi só por tu seres um sedutor…
Ele – Pois claro… e agora troças de mim, a que motivo ?
Ela – Não estou troçando de ti… tu és um sedutor…
Ele – Tu já olhaste bem para mim ?
Ela – Já, claro que já olhei…
Ele – E vais dizer-me que não encontraste nada de estranho ?
Ela – De estranho ? … Não, nada…
Ele – Nada de anormal ?
Ela – Anormal ? Claro que não…
Ele – Olha… por favor, olha bem para mim…

Ele - Já contaste as minhas pétalas ?
Ela – Já, porquê ?
Ele - … e não reparaste … naqueles dois espaços… sem nada ?
Ela – Reparei.
Ele – Aconteceu-me há uns tempos atrás… um garoto que ao passar, me arrancou duas pétalas… fiquei destroçado…
Ela – Compreendo…
Ele – Sinto-me um pouco... diferente... inferior até. Portanto não me sinto nada sedutor...

Ela – Acho que não estás a ver bem a situação...
Ele - ... até já me isolei, já me afastei de todos, só por ser...
Ela - ...
Ele - ... sempre me considerei diferente, e ainda por cima, depois daquilo...
Ela - ...
Ele - ... desculpa... acho que comecei um monólogo...
Ela – Começaste... e estás a ser tonto. Já olhaste para mim ?
Ele – Se reparei em ti ? Oh... como é possível não olhar ? Se tu és...
Ela – Pára. Nem me estás a ouvir... eu perguntei se já olhaste bem para mim...
Ele - ...
Ela – E então ?
Ele - ... Absolutamente ... adorável, é o mínimo que me ocorre...
Ela – Então olha com mais atenção, por favor...
Ele - ...
Ela – Já reparaste ?
Ele – Estou olhando...
Ela – E não reparaste em nada de estranho, também?
Ele - ...
Ela – Nada, mesmo ?
Ele – Não.... mesmo nada. Aos meus olhos... és perfeita...

Ela sorriu, daquela forma estranha que caracteriza as malmequeres brancas, quando sorriem.

Ela - ... Faltam-me muitas pétalas...
Ele – Faltam ? Não tinha reparado...
Ela – Faltam, sim... faltam-me quatro pétalas... também eu tive um percalço, um pássaro mais esfomeado que me deixou neste estado...
Ele - ... sim... com efeito... agora que falas disso...
Ela – Não tinhas reparado ?
Ele - ... Asseguro-te que ... não, tenho a certeza que é aprimeira vez que reparo nisso... como é que eu não vi...
Ela - ...
Ele - ... Porque sorris ?
Ela - ... Porque pela primeira vez, estás a ser ... verdadeiramente sedutor...
Ele - ... acredita... não reparara ...
Ela - Eu sei, eu sei... mas já reparaste agora... que eu ainda sou mais imperfeita do que tu ?
Ele - ... Mas tu és bela...
Ela - Bela, eu ? Sem quatro pétalas ? Só aos teus olhos...e porque eu te seduzi...

( Tentei que fosse assim uma espécie de presente de aniversário para vocês os dois )"

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

1+1 = 11 anos


Foto da Net

Este foi o símbolo por nós escolhido!
Este foi o dia em que o começámos a usar!
Somamos onze doces anos,
Com uma relíquia a abrilhantar!
Brindamos por mais onze...
...que caberá ao destino traçar!
A ti,
levanto o flut para brindar,
com selo de garantia por tanto te amar!

domingo, 6 de dezembro de 2009

Estrela Guia


Foto da net


Procurei a estrela guia numa tarde à beira mar
Confessei-lhe preocupações para ela me ajudar!
Partilhei incomodidades, sobressaltos e inquietudes
Cobrei-lhe soluções, respostas de magnitude!
Vejo miséria, vejo solidão, vejo frio e desorientação!
Vejo as ruas cheias de nada para oferecer,
Enquanto nelas repousam olhos com fome de viver!
Poucos os pressentem, poucos os veem!
Pois se aos nossos olhos todos fossem visíveis,
Ter-me-ía encontrado com eles neste pontilhão à beira mar,
Para à estrela guia pedir:
A mais justa solução para o melhor Natal!

sábado, 5 de dezembro de 2009





Recebi da amiga: Ana Martins do blog http://avesemasa.blogspot.com
Regras:
Escolher dez amigos para declarar a nossa amizade e os nomearmos para que continuem a DECLARAÇÃO DE AFECTO pelos seus 10 melhores amigos.
Não há selos ou prémios, apenas nossa declaração sincera de afecto.

E a minha declaração de afecto vai para:

Jackie (sem blog, mas com todos os predicados de amizade)
Selma, ou menina do mar
Selena, com todas as "possibilidade" de a ter como amiga
Tonho, 6vqcoisa, que me caricaturou e eu tanto gostei
Myra, uma referência no mundo das artes
Sónia, pela partilha do seu vento na ilha
Hellen, pela beleza do seu blog
José, com reflexões e outras divagações, em verso rimado e ironizado
Judite, que dá voz às palavras numa grande oratória escrita
João Menéres, um grifo que plana no mais ténue ondular da amizade



Há uma nova figura relacional
Que facilmente entre em nossas casas.
Denomina-se de "AMIGO VIRTUAL"
Apresenta-se crítico e dá-nos asas...

São asas de incentivo à escrita
Asas que nos fazem querer voar
Um dia denominam-nos de "menina bonita",
No outro convidam-nos a calar!

São vozes sinceras, desinteressadas
Vozes que falam a linguagem da alma
E nas tertúlias realizadas
olham-nos de perto, com toda a calma!

Aos amigos virtuais devo dizer
Que não vale a pena publicar
Este singelo gesto de amizade
Que lhes dedico com notoriedade.


Obrigada Ana, pelo carinhoso gesto!

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Luar de AnaF


Oleo sobre tela de AnaF

Ofereceste-me a lua por ti pintada
Com a sombra de um ramo que a namorava
As estrelas suas vizinhas dançam na tela
Como quem dança em dias de festa!
Sorrias com a relíquia na mão,
trazias a tua tela azul noite
Cheia de alegria por ma ofereceres!
Tudo em ti foi lua cheia!
Tudo em ti foi delicadeza e amor,
reflexo de um gesto de dádiva,
de um sinal de maturidade,
de quem olha o céu e vê para além da lua,
para além das estrelas,
para além do que eu vejo em ti de mim.
Hoje ofereceste-me um pouco de ti,
com o sorriso crescente pelo meu recital de luz!

A ti, Ana, o meu mais terno beijinho de gratidão pelo gesto de amor pintado!