quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Sons da escrita...na penumbra!

foto da net

Aqui,
onde o nada se espalha num capim envelhecido,
cresce o sossego!
Aqui,
onde não há leiras nem beiras,
arrefece o sono perdido!
Aqui,
onde espreita a penumbra,
canta-se um som esquecido!
Melhor que entristecer, aqui,
é poder escrever a ária,
de um conto tão bem vivido...


5 comentários:

  1. arrefece o sono perdido!
    Triste poema..bello ...pero triste...
    NUNCA debes dar o sono por perdido
    o conto ainda non esta vivido...queda moito ..bonito poema..pero triste
    MIL BICO GRANDES ...AMIGA!

    ResponderEliminar
  2. Estarei a interpretar mal, ou é, como disse a CARMEN, um poema muito triste ?
    Um beijo, Luísa.

    ResponderEliminar
  3. onde o nada se espalha...
    cresce o sossego!

    As miradas maravillosamente profundas da poeta Luisa Vilaça

    ResponderEliminar
  4. Luisa não entendo que este poema seja triste, mas sim um olhar de perto para si mesma...
    Este poema é top. Parabéns.
    Beijinhos DB

    ResponderEliminar

Olhares de perto