sábado, 15 de janeiro de 2011

Assim...

foto da net

Assim ficaste...
...na solidão aparente da dor de quem caminha só pelas ondas do mar!
Olhares distantes, fugidios e baços,
como quem foge da vida
numa tarde cinzenta recheada de embaraços!
Mesmo que o mar te apague os passos dados,
o caminho percorrido fará de ti a segurança do trajecto a fazer!
Vais frágil...mas caminhas!
Vais triste...mas sabes sorrir!
Vais com um nó apertado...mas, também tu, vais saber desatá-lo!
Não caminhas só. Sabes que no destino está tão somente:
a tua liberdade!

7 comentários:

  1. Boa noite Luísa,
    um poema nostálgico mas carregado de força e esperança, lindo!

    Beijinho amigo,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  2. Parece-me que a MARÉ está vaza...
    A cada um o seu caminho ou as prisões que escolher.


    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. [como o retrato construído com e dentro da palavra, que solitária caminha, mas não se esquece ou apaga... aconchega!]

    um imenso abraço,

    Leonardo B.

    ResponderEliminar
  4. O mar apaga sempre os passos já dados... mas ao mesmo tempo permite-nos aquela sensação única de voltar a deixar pegadas na areia, como se fôssemos os primeiros a fazê-lo...

    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Mesmo quando caminhas só,
    tens sempre alguém que te olha de perto...


    Beijos grandes!

    ResponderEliminar
  6. Muito belo o teu poema!!! Gosto muito!!! Beijinhos da Cláudia

    ResponderEliminar

Olhares de perto