sábado, 12 de setembro de 2015

Nada

..................
Nada me apetece,
hoje...
...somente ouvir a cabeça trabalhar, 
deixá-la arrumar a engrenagem,
sem importunar!
Nada consigo ver, 
do passado...
...uma queda brutal do telhado,
um choro maroto amarrotado,
as feridas abertas em todo o lado!
Nada prevejo,
amanhã...
...o sonho acabado por gasto,
o delírio em silêncio cansado
e um sorriso no rosto,
moderado!
Nada!
Hoje, ontem e amanhã,
nada!

3 comentários:

Olhares de perto