sábado, 28 de fevereiro de 2015

A B C

"ABC"
corre as letras e vê as suas cores!
Sente-lhes o cheiro que aromatiza o papel!
Senta! 
Sente o calor desse fogo
e aquece a vontade de escrever!
Ensaios, rascunhos, testes e combinações...
...numa união programada de textos soltos!
Levanta cada palavra e eleva-a ao seu melhor estado solidamente escrito!
"ABC"
Ama-as
Bajula-as
Casa com letras!

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

A pressa de viver...presa na juventude

Juntam-se em grupos
vestem-se de igual
ouvem as mesmas músicas
e nada lhes fica mal!
Bebem litradas
Soltam risadas 
apressam-se a crescer
sem nada temer!
São tão bonitos
tão despreocupados
avançam na vida 
sem objetivo, nem lida!
Alguém lhes põe rédea?
Ou os chama à razão?
Convém antes do termo
ou da perda de toda a noção!
Quanta pressa de viver
de tudo experimentar e saber
fazendo concorrência ao tempo
esgotando no tempo
a delicadeza da forma de ser!




quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

A

Anda devagar
Deixa de estar apressado
num tempo que já não passa
num andamento que enche e amassa!
Anda devagar e sem pressa
deixa-te estar perdido
num abraço que aperta
e perdura...
...entranhado na pele!
Fica!



terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Asas

Sempre que pensares planar,
prepara-te para o voo...
Do desejo de ficares na superfície
nascerá o sonho de tocares as nuvens!
Vai! Abre as "asas" ao sonho...
 

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Voltas no silêncio

Dar voltas no silêncio
Aprender a calar a ausência
E surpreender pelo barulho da felicidade!
Rodeios de anseios 
momentos escuros de devaneios 
num clarão de receios ultrapassados!
Quanta surpresa carregas, vida!!!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Tu, às vezes....

Dizes que sim, quando quero ouvir não.
Negas presença, quando te quero ver de perto.
Corres quando tens que andar devagar,
e avanças lentamente, quando a pressa te anda a incomodar!
Vestes negro, para na cor não esbarrar,
e mostras-te nos contrários, desalinhando!
Humm!
Tu, às vezes, és poesia!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Um olhar de perto sobre a escrita!

Tudo já foi escrito!
Sinto as palavras
envelhecidas
gastas
traçadas 
remendadas de olhos cansados de leitura...
...míopes letrados!
Serão sábios com nomes por inventar,
causas criadas por implementar,
sequiosos de leitura e
de folhas por dedilhar,
num tom renovado à espera 
de poesia proclamar!
Tudo está por escrever!


sábado, 14 de fevereiro de 2015

Sorri

Sorri de sorriso espontâneo
 Sorri de olhos fechados
encerrados em tudo o que te faz feliz!
Sorri!
Abre o teu olhar ao mundo
mostra-lhe como é belo o céu azul
quando toca a linha do horizonte...
...e se afoga no mar do amor!
Sorri!



quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Aí!

Fica aí!
Aí, onde o sol aquece
e o vento despenteia as ideias!
Fica aí!
Onde a montanha lê o pensamento
e revela ao sol
o  sonho do momento!
Fica!
Fica aí!
No degrau da quimera
onde a luz sobe ao céu
e a escuridão conta 
o abraço que sentiu! 





quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Definições

Em cada impulso do tempo
existe um passo travado,
pensamento não adiado
no momento...
...aliado à passagem do tempo!
Serão enlaces de ideias,
desígnios da hora
sem conceito,
numa definição de prazo
sem validade!
Definições...





quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Fazes-me...sorrir!

foto by Luísa
Fazes-me sorrir porque me dizes especial!
Umas vezes porque te olho,
outras porque te não vejo!
Uma vezes porque te empurro para a vida,
outras porque nem te toco!
Fazes-me sorrir porque me dizes cuidadosa,
delicada, pessoa bem formada e leal aos seus princípios...
...até que falho!
Fazes-me sorrir quando me chamas eclética,
por vezes hipócrita-conveniente,
outras verdadeira, surpreendente!
Fazes-me sorrir
e isso basta-me para continuar...
...a sorrir!

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Intimação ao sol





Ou  o sol sorri, 
ou aparecerei de mão dada com a chuva!
Não caminharemos a chorar, não!
Mas percorreremos todos os obstáculos
sem chão, sem lua, sem lonas de proteção!
Ou o sol sorri,
ou o dia se despedirá chorando
rendido ao pranto do céu!
Iniciámos o choro coletivo das letras...
...sem palavras!