sábado, 19 de setembro de 2009

Pena

Foto de AdágioCaiu ao de leve e levemente poisou!
Vinha embalada pelo vento que em mim a fez parar!
Trazia candura e um suave tom de despedida,
Como quem me veio dizer baixinho:
"Procura a manta, pois o sol vai subir devagarinho!"
Guardei-a no livro que me fazia companhia,
e aquecê-la-ei na estação que se avizinha.
Baptizei-a de pluma, pela delicadeza na sua chegada.
Tocou-me na mão e adormeceu na página fechada!

15 comentários:

  1. Que momento delicioso amiga!! Muita paz pra ti!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Esta pena saberia exactamente o sítio ideal para poisar.
    Um sítio onde alguém a fizesse sentir útil.
    Esse alguém só poderias ser tu, com o teu olhar de perto.
    Um beijo,
    Judite

    ResponderEliminar
  3. Que belas palavras meu caro amiga .... Luísa
    E inefável bênção que Deus me deu a oportunidade de conhecer e ser capaz de dizer a partir desta esquina da Argentina ...
    E eu admiro profundamente você meu amiga distante ...
    Abraços e beijos para você ....
    Adagio

    ResponderEliminar
  4. Luísa,
    A imagem é magnífica e a interligação com as palavras, perfeita.
    Obrigada por este belo post.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  5. L U Í S A
    (comprenderás o espaçamento, não neste, mas num agradecimento que fiz esta tarde...)

    A imagem de ADAGIO inspirou-te uma poesia muito suave, muito meiga e cheia de amor.
    Sabes, querida amiga, estou a pensar numa criança que, no colo da mãe, procura o calor, o aconchego e a segurança.
    Tudo que um dia (muitos dias) a ANA só em ti sabia poder encontrar e que, ainda hoje, mais velhinha um pouco, te toca de leve na mão, com o mesmo sentido.

    Um beijo, LUÍSA.

    ResponderEliminar
  6. «... e adormeceu na página fechada». LINDO!

    ResponderEliminar
  7. O BLOG INTERAÇÃO DE AMIGOS ESTÁ TE CONVIDANDO PARA IR LÁ.
    TEM UM SURPRESA.
    TE ESPERO
    SANDRA.

    Leve como a pena. assim terá que ser nossa vida.
    mas nem sempreo é.

    ResponderEliminar
  8. Olá Luísa ,

    Que beleza de poema!
    A harmonia predomina tua poesia
    com uma cumplicidade que a tua palavra tem com a palavra que escreve...doando encanto prá cada linha, é de tom delicado como a nuance da cor que nos faz imaginar e sentir tudo com tanto amor.

    beijos

    ResponderEliminar
  9. que coisa mais bonita!!! palavras e imagem! lindas e delicadas como voce, beijos muitos beijos,

    ResponderEliminar
  10. A flâmula que se lhe aconchegou e inspirou este poema procurou uma alma plena de sentidos. Por isso lhe ameigou a mão e em si se deixou adormecer.
    Ler este post fez o Sol brilhar mais neste Domingo.
    Obrigado!
    Um beijo

    ResponderEliminar
  11. A inspiração não acaba, tal como as plumas...
    bj

    ResponderEliminar
  12. Um poema tão suave quanto a pena, parabéns!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  13. Tal como a pena, eu também sei o quanto é bom chegar-me a ti, nas horas em que o inverno assola a alma...
    Eu e ela sabiamos que só lá encontrariamos abrigo e retempero.
    Estás tão elevada que eu tive que me "transcender" e chegar até ti desta forma.
    Estou muito orgulhosa minha amiga e sei que todos estes comentários não te envaidessem, apenas te responsabilizam, ainda mais.

    Gosto muito de ti!
    Gosto muito do teu caminho, só tenho pena que não vires um jeitinho à esquerda.
    Com jeito vais lá, ou por outra estás lá e ainda não o sabes...
    Bjs mesmo assim
    Jackie

    ResponderEliminar

Olhares de perto