segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Olhares d´água


Aldeia de Mourulle - Taboada - Galicia - Xosé Figueroa Lorenzana

Tentei ver-te!
Ainda julguei ver-te passar...
A porta fica aberta para entrares,
e eu,
continuarei à janela...

...a sonhar!

5 comentários:

  1. Luisa Vilaça...sintetiza a tristeza dun povo asolagado..palabras perfectamente construidas e armonizadas..

    ResponderEliminar
  2. Muito bem escreves, luísa !
    Com muito sentimento interior.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. Nem sei se será correto comentar os sentimentos de cada um. Mas sempre lhe digo que gosto de a ler.

    ResponderEliminar
  4. Profundamente sentido e belo
    o que se avista de um janelo!?

    Parabéns, Luísa.

    ResponderEliminar

Olhares de perto