segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

A cor do que escrevo é...


foto by Luísa
Não voltarei a escrever
enquanto não souber a cor do meu texto!
Não importa a cor dos meus olhos
mas sim a profundidade do meu olhar.
Não importa a cor do meu sorriso,
mas a sinceridade com que o ofereço!
Não importa a minha cor,
porque de mim dou o meu melhor
para ver sorrir!
Mas a cor das letras que escrevo,
ainda gostava de as definir!
Serei clara, serei obscura?
Serei amarga, ou escrevo doçura?
Serei uma frase solta,
ou uma composição em verso?
Que viro eu quando escrevo,
que me revejo tão serenamente enamorada pelas letras?


18 comentários:

  1. Lindo,,, fazes-me sorrir sim,,,,ao ler este texto e uma doçura sim ,,,e bem doce

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Mari,
      tu és amiga e conheces-me dos bancos da escola! Sabes bem a cor do meu sorriso! Bjnhs

      Eliminar
  2. Ah, minha amiga, a escrita, quando expressão do pensamento, não tem cor. Se a tivesse, condicionaria o leitor. Ora, o pensamento partilha-se, não se impõe.
    Isto, se entendi bem o seu texto. Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "...quando expressão do pensamento, não tem cor."
      Grata pela atenta leitura que faz dos meus textos.
      Beijinho

      Eliminar
  3. Já não são horas, Luísa..
    E amanhã, só poderei escrever à tarde...
    Tu mereces TUDO e não um comentário a contra-relógio !

    Um beijo com um sorriso meu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És sempre tão esperado, querido João Menéres!
      Obrigada por teres vindo ler-me, mais uma vez!
      Até breve?

      Eliminar
  4. acho que tem as cores do arco iris!!!! TODAS!!!! adorei!
    bjosssssssssssssssssssssssssssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. hummmmm!
      Sempre tão querida, Myra!
      Terei cor...terei cor!

      Eliminar
  5. Continua tua escrita Luísa. Ela tem a cor da tua alma !
    Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem sim, Li!
      Sou muito do que aqui vai escrito!
      Mil beijinhos para si.

      Eliminar
  6. Vira um doce vício de todos os dias a visitar descobrir uma cor diferente...
    Bj, Fi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fi,
      por vezes repito a cor...
      Mas, prometo variar com os tons da natureza...
      Bjnhs

      Eliminar
  7. A cor das letras é bem viva, Luísa.
    E isso é o mais importante para nós.
    Nunca escreveste um texto morno ou requentado !
    Sempre lhes imprimes o que tens bem junto ao teu coração.
    Por isso, eles são sinceros e tanto nos agradam.
    E este, então, é dos mais poéticos e belos que li, mesmo sem saber a cor com que foi escrito !

    Um beijo muito amigo e feliz por te te saber também FELIZ.

    ResponderEliminar
  8. João,
    que bom que voltaste! Tem vida a cor da escrita?
    Tem batimentos ventriculares?
    Então poderá ser uma escrita profilática!
    Este texto foi escrito escarlate...fogo, com vontade de desistir do meu olhar de perto!

    Outro beijo muito amigo, feliz, por te saber por aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os batimentos vão bem.
      Os músculos das pernas é que reajem ao fim de algum tempo de exercício...
      Eu estou por aqui, bem sabes. Mas, tenho outras actividades que me obrigam a estar menos pela blogosfera...Além disso, o que me está a suceder com os e-mails (que não saiem daqui ) é uma forte contrariedade. E se eu contratasse uma secretária novata ???

      Eliminar
  9. Serei clara, serei obscura?
    Serei amarga, ou escrevo doçura?

    Un maravilloso xogo, un dulce xogo de colores...de Luisa Vilaça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O jogo de cores é o reflexo do que vejo....
      Bjnhs Xosé!

      Eliminar

Olhares de perto