domingo, 26 de janeiro de 2014

Zona de erosão

foto by Luísa - Ofir - 25 janeiro 2014

Entre o vazio e o nada
vê-se a imensidão do mar fundida no céu...
Ao mar, confidencia-se o segredo que depressa afoga!
Ao céu, abre-se o coração, que rapidamente guarda entre nuvens!
Quando se resgata a emoção,
nascem ondas de erosão
numa formação slack
soprada pelo amor...
...numa duna desenhada para só para mim!

7 comentários:

  1. E mesmo entre o vazio e o nada,,,,Ao CEU avre-se o coração,,beijinho,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mari,
      conheces-me, sem segredos....
      Apenas dissertações!

      Eliminar
  2. Boa noite, Luisinha. Deixe-me pegar nas suas palavras e dizer-lhe que "entre o vazio e o nada" cabe o tudo que somos.
    Ah, outra coisa: hoje de tarde, na Póvoa de Varzim, lembrei-me de si. Foi quando, através da vidraça da biblioteca, vi as gaivotas na areia da praia, e todas sem exceção, imóveis e viradas para a rebentação. Fácil foi entender que tudo tem um sentido, mesmo que este seja obscuro para nós. E tive pena de não ter uma máquina fotográfica à mão...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joaquim Ribeiro,
      as minhas fotos são apanhas pelo telemovel, daí levar "puxões" de orelhas do mestre da fotografia João Menéres.
      Bjnhs

      Eliminar
  3. Continuas com a veia apurada pelas emoções.
    Não permitas que uma qualquer erosão a enterre numa duna.

    Um beijo amigo, Luísa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João,
      espero bem que a duna fortificada do amor que vivo, jamais seja abalada por qualquer erosão.
      Aquelas dunas viram-nos crescer, sabias?

      Eliminar
  4. Não sabia, claro !
    Mas eu só me referi à veia poética, Lu...

    Um beijo.

    ResponderEliminar

Olhares de perto