sábado, 25 de outubro de 2014

Brasas de amor

Brasas - foto de Xosé Figeroa Lorenzana - Pazo de Sabadelle

 Pulsam as ondas de calor,
estalam no vegetal endurecido que queima!
Pulsam em aconchego de amor
como quem saúda e reina!
Se soubesses o tom do coração,
que toca a brasa  animada,
talvez devesses desculpar a razão
que não ajuda o amor em nada!
Se queimar, deixa arder!
Se arder, tempera a queimadura!
Deixa sentir o braseiro que queima,
deixa ferir...que o mal que vem por bem, nem sempre dura!



3 comentários:

  1. Uma magnífica parceria luso-galaica !
    Dessa chama, já o Camões sonetava.

    Um beijo muito Amigo.

    ResponderEliminar
  2. "nem sempre dura", e às vezes, até cura.

    ResponderEliminar

Olhares de perto