segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Passando...


Escrever, não sei
Ler, não aprendi
Guardar a estante vazia foi lei
Do tempo que ainda não vivi!
Se guardar o lápis me fizesse escrever,
(talvez uns livros redigir),
encheria as prateleiras de casa
de lombadas a sorrir!
Passando pelo papel,
redigi um texto solto...
...e, dando conta que não sei escrever,
recolho-me, já morto!


9 comentários:

  1. Velaiquí un texto extraordinario.. un mais.. da Poeta Luisa Vilaça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijinhos para ti, Xosé!
      És das poucas pessoas que acreditam nas palavras que vou libertando....

      Eliminar
  2. Noto uma certa nostalgia. Deveria ser assim... e, dando conta que sei escrever com os dotes que Deus me deu, recolho-me grata por escrever aquilo que os meus amigos tanto gostam de ler.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Reformulando....
      "recolho-me grata por escrever aquilo qie os meus amigos tanto gostam de ler!"....

      Eliminar
  3. Adoro estas tuas passagens pelo papel, Luísa !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu adoro-te a ti, queridíssimo João!
      Fazes parte deste olhar desde sempre...Já me lês nas entrelinhas!

      Eliminar
  4. Parece-me, a estante vai ficar composta.
    Boa noite.

    ResponderEliminar
  5. As almas grandes são sempre as mais humildes.
    Está um belo poema. Parabéns.

    ResponderEliminar

Olhares de perto