quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Terra

No toque leve sentiste a humidade da terra!
Fria.
Escura.
Calada.
Assim,
terra esquecida lembrada de nada!
Quando lhe poisaste a mão, molhada,
mudaste o olhar, transtornada!
Porque tocas a terra quando as nuvens se chegam a ti?
Eleva-te ao céu e seca o chão,
porque no lançamento do teu olhar
vê-se o tamanho do sonho...ficção!

5 comentários:

  1. Felicito-te por este poema, Luísa !
    Tão forte ele é !
    Marcado.
    Ritmado.

    Ficamos a reflectir.

    Um beijo, querida AMIGA.

    ResponderEliminar
  2. O Natal se aproxima...

    As luzes cada vez mais brilham nas ruas...

    Que no Natal a maior luz brilhe dentro de cada coração. Essa é a que vale realmente!

    Mesmo ausente e ainda assim ficarei por algum tempo,vim apenas deixar meus votos de um Natal maravilhoso e 2016 recheado com tudo que cada um desejar! Por motivos óbvios, trago mensagem colada, mas vale a intenção e desejos!

    beijos, chica

    ResponderEliminar
  3. Como sempre,belo,intimista e sensual.
    Parabéns.
    Feliz Natal.
    Beijinhos da prima homonima Luisa Vilaça

    ResponderEliminar
  4. Como sempre,belo,intimista e sensual.
    Parabéns.
    Feliz Natal.
    Beijinhos da prima homonima Luisa Vilaça

    ResponderEliminar
  5. Muito bonita esta "conversa" com o Sol!

    Bons dias soalheiros.

    ResponderEliminar

Olhares de perto