terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Não sei quem sou

Não me procures aí
porque eu não estou!
Não me reinventes assim
porque eu não sou!
Não me pintes
porque eu não tenho cor!
Não me olhes nos olhos 
porque quando nos cruzarmos
vais perceber quem já não sou!

3 comentários:

  1. Lindo poema, Luísa !
    Nada a ver com António Botto e tudo a ver com António Botto !
    Belo, muito belo, Luísa, querida amiga.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Quando pensamos nada sabermos estamos no caminho certo do verdadeiro conhecimento

    ResponderEliminar
  3. Gostei. Gostei muito.
    O eu de cada um é um mundo vasto, impossível de caber na definição de alguém...

    ResponderEliminar

Olhares de perto