sábado, 21 de novembro de 2015

Voltas

...e, quando pensas, dói-te a alma!
O coração aperta na memória do que não fizeste
e repulsas o teu silêncio.
Recomeças.
Voltas a tentar.
Estás vazia de ti
sem referencias para andar!
Valores.
Desprende-te de valores.
Vai e avança
até não ter volta a dar!

2 comentários:

  1. Parar é morrer. Por isso, teimo à minha maneira...
    E agora não há mais voltas a dar dado um neto fazer 14 anos.
    Desta vez é o Rodrigo.

    Um beijo e parabéns pelo teu poema tão cheio de ânimo.

    ResponderEliminar
  2. ...E quando já não há volta a dar, há que dar a volta...

    ResponderEliminar

Olhares de perto