quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Há flores no chão

Há flores no chão,
cheiros perdidos,
passos embrulhados em crepe
com laços de embaraço!
Há sons soltos no ar
vagueantes de matéria vazia
presos a olhares tremidos de pena!
Há tempo percorrido, gasto, 
achado no relógio de alguém
com minutos que correm sem passar!
Há espera
Há esperança
Há uma mão estendida que dá
e uma outra que te agarra
e respira!
Há flores no chão...



9 comentários:

  1. Há flores e lágrimas que as não deixem secar.
    Lindo o teu HÁ FLORES NO CHÃO !
    Se me permites, saliento :
    " Há sons soltos no ar
    vagueantes de matéria vazia
    presos a olhares tremidos de pena ! "

    Um beijo para ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijinhos mil querido amigo!
      Dás ênfase a algo profundamente subtil. Saiu da alma, sabes?

      Eliminar
  2. Luisa Vilaça volta do silencio e tráenos a sabiduria das palabras..
    "" Há uma mão estendida que dá
    e uma outra que te agarra ""
    Unha muller poeta..especialmente poeta...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És um amigo de palavras de seda!
      Bjnhs lusos para a tua Galiza!

      Eliminar
  3. Gostei do teu poema, de carácter para mim nostálgico...
    A escrita transporta-nos em várias direções...
    Não sei se a minha análise pessoal, acertou no estado de alma do escritor na altura, mas gostei muito.
    Beijinho muito grande e contínua a brindarmos com o teu talento! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana,
      a escrita transforma-nos. Lava-nos a viagens entre as certezas absolutas até a mais estúpida dúvida...Não estou nessa escrita. Eu sou essa escrita. Tu conheces-me!
      Bjnhs meus para ti que estás por terras de quem manda nesta comunidade europeia!

      Eliminar
  4. Há flores no chão.
    Pura e simples é a palavra que remete nossos sentidos e cria a mais bela poesia.

    Beijos Luísa

    ResponderEliminar
  5. Há flores no chão.
    Pura e simples é a palavra que remete nossos sentidos e cria a mais bela poesia.

    Beijos Luísa

    ResponderEliminar
  6. "Laços de embaraço" são comuns a quem lança flores ao chão: "vagueantes de matéria vazia".
    Boas imagens encerra o poema.
    Bom domingo.

    ResponderEliminar

Olhares de perto