sábado, 30 de maio de 2009

Laços de mãos


Encontrei-me a brincar com os dedos
Num movimento delicadamente brincalhão!
Senti-lhes agitação, até medos,
de com eles não poder dizer não!
Agitavam-se em movimentos,
Enquanto te ouviam falar!
Trocava eu os seus enredos
Mexia um entre outro, sem calhar!
Deles vi união, coesão nas atitudes
Mostraram-me um ser maduro, seguro de si
Cheio de meiguice contra ti,
e depressa te venci, sem dizer não
só porque no teu tempo, mostrei compreensão!
Li os segredos dos dedos e consegui dar-te a mão!

20 comentários:

  1. Muito obrigadp pelo destaque que deste ao SELO/PRÉMIO do DESAFIO e à sua colocação no sidebar. Impecável!

    Quanto à poesia, a esta hora, só direi que brincas com os dedos como brincas com as letras e delas constróis palavras e com as palavras frases.
    E das frases imana sempre uma bela poesia.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. O gesto é tudo...
    O sentido auditivo e visual que (esse) coração regula... as palavras são parcas perante tão límpida imagem.

    Um Abraço
    (O Desmiolado)

    ResponderEliminar
  3. Que grande homenagem, um sentido imensamente celestial. A significado da lembrança. A natureza no seu mais puro sentido, o nascer duma vida.

    (O chorão)

    ResponderEliminar
  4. Decore sua alma ,
    da forma mais linda que souber,
    com uma poesia que lhe toque o coração,
    para que na sua mudez, seja feliz,
    pois alma que é, será sempre sua,
    sem que ninguém no mundo a tire de você.
    (Eda Carneiro da Rocha)

    Desejo a você um maravilhoso final de semana,
    Com muita paz e carinho.

    Sônia

    ResponderEliminar
  5. Luisa,

    obrigado por SEGUIR o Varal.

    Volte sempre!

    ResponderEliminar
  6. Falam os dedos de cada mão revelando segredos de emoção

    ResponderEliminar
  7. obrigada pelo teu comentario!
    gostoei muito deste poema, as maos entrelaçadas, sim, sinal de amor e amizade...obrigada por terme visitado, espero que venha sempre!!!
    um beijo, myra

    ResponderEliminar
  8. Amiga Luisa,
    Obrigada pela sua visita.
    O poema que jhoje aqui deixou é lindo. A mim transportou-me para os tempos da adolescência quando dávamos a mão. Por dentro todo o nosso corpo termia. Esbocei um sorriso com esse pensamento longíncuo e ao mesmo tempo tão perto. Através das mãos conseguimos sentir e transmitir um mundo de emoções, pensamentos, quereres, conforto, amizade, compreensão, esperança, confiança.
    Um grande beijinho,
    Maria Emília

    ResponderEliminar
  9. "Não sou como a abelha saqueadora que vai sugar o mel de uma flor, e depois de outra flor. Sou como o negro escaravelho que se
    enclausura no seio de uma única rosa e vive nela até que ela feche as pétalas sobre ele; e abafado neste aperto supremo, morre
    entre os braços da flor que elegeu."

    ( Roger Martin)

    Passando para de desejar um final de semana com muito amor e carinho.
    Abraços do amigo Eduardo Poisl

    ResponderEliminar
  10. Entrededos escorrem letras
    na praia poética Luisana

    : )

    ResponderEliminar
  11. Como é bom sentir o apoio de alguém com um simples gesto que é dar a mão!

    Prazer em conhecer-te Luísa!
    (já vi a fotografia:))

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. O sentir das mãos em poesia... Muito bonito!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  13. Simplesmente lindo...

    Obrigado pelos miminhos, mas sou tão pequenina perto de si...nem me ouso comparar...

    Gosto da sua foto, gostei do seu olhar, a Luísa é linda, muito bonita mesmo!

    ResponderEliminar
  14. Amiga!!! Você está linda na foto! E este lindo poema que fala sobre as mãos... me reporta a sentimentos e lembranças, que o tempo havia levado pra bem longe!
    O poder de um olhar e o simples toque das mãos, são sinais que a vida nos ensina. O leve encostar de uma mão na outra, e a cumplicidade do momento, dentro deste simples movimento...
    Parabéns! Mais uma vez!
    Beijo no coração e um lindo Domingo pra tí.
    Elida

    ResponderEliminar
  15. Foi inteligente entrelaçar os dedos ... e dar a mão!
    Jnhs

    ResponderEliminar
  16. Museu de cordofones de Braga , Domingos Machado, um amigo, e o filho também. Já lá foi comprada uma braguesa, três cavaquinhos, um arranjo de um dos meus violoncelos, uma filmagem para a tese de mEstrado... mas há mais de vinte e cinco anos que nos conhecemos. O meu pai tinha a Casa dos Pianos, em Braga, onde se construiam instrumentos "harmónios," órgãos de fole.. dos melhores da Europa... Bem como tambem tinhamos a Biblioteca Musical, no Porto, na Candido dos Reis, que era gerida pelo meu saudoso padrinho... com quem convivi e vivi alguns tempos, na Infância...
    O mundo é um Aldeia...

    ResponderEliminar
  17. Nos poemas que escreves,
    saem sempre belas mensagens
    dedicadas a alguém
    em forma de homenagens.
    Neste poema "Laços de mãos"
    os movimentos parecem falar
    da cumplicidade de dois seres
    que num só se irão tornar.
    Para a minha doce poetisa,
    um beijo,
    Judite

    ResponderEliminar
  18. O nó...deste-lhe o nó

    ResponderEliminar

Olhares de perto