sábado, 28 de fevereiro de 2009



Desces no meio das sólidas rochas, numa dança ruidosa e energética

Vais montanha abaixo visitar todos os que te esperam

Convives com a natureza numa harmonia sem igual

Contornas qualquer obstáculo, vais com destino...é normal!

Esperas dias mais quentes,para que te possamos banhar

Ouvirás o riso das crianças ansiosas por te saltar.

Na paisagem que te abraça, há poltronas de musgo verde

Onde o convite para sentar é imperioso aceitar.

Levo lápis e papel, para registar os teus contos

Caracterizo a tua casa com descrições que são só minhas

Lanço o meu olhar de perto para conhecer a tua natureza

E vejo na roupa que vestes a tua ímpar beleza.

Passam cavalos selvagens, lá ao longe...

Ouvem-se as aves raras com cumprimentos melodiosos

Sentem-se as vénias das árvores ao buliço da tua passagem

Ai, este ar tão suave que passa vestido de brisa!

Ai, esta luz tão ténue que calça a montanha a crescer!

Do encanto supremo do que me rodeia, tu és suprema, Natureza!

5 comentários:

  1. Cara Luísa,
    Estava a ler e a sentir-me a admirar a água do riacho, que considero uma lição exemplar de vida. Um objectivo, um critério coerente, o respeito por valores, coisa que a humanidade já não sabe o que é.
    Desce o leito do rio obedecendo à força da gravidade, se encontra um obstáculo não teima como um político estúpido e arrogante, contorna-o da forma mais fácil, sempre a descer que é o seu caminho. Se o obstáculo é incontrolável espera reforços, porque sabe que a união faz a força, e depois de atingir altura, galga e continua a sua rota. Nunca enfrenta a montanha, porque seria um a decisão louca, contorna-a.
    Se os homens do Poder aprendessem com ela os seres humanos seriam mais felizes.
    Um abraço
    João Soares

    ResponderEliminar
  2. Como é maravilhoso o som de um riacho que corre sobre as pedras...
    Lindo poema
    beijos e um bom domingo

    ResponderEliminar
  3. Que maravilha de texto, que leveza de escrita, linda e sentida!
    Parabéns Luísa, um texto escrito com todo o amor com que contempla a Natureza.
    Tenho andado um pouco afastada, mas não me sinto muito bem, depois da gripe começei com problemas na boca, gengivas inflamadas, não sei se foram os medicamentos que me causaram isto ou não. O Sérgio também só amanhã, (Segunda) é que vai à escola, emagreceu muito e está fraquito.

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  4. OI luiza

    não entendi bem sobre Guimarães, cidade Europeia da Cultura 2012.

    mw fale por email

    tiagomumu@yahoo.com.br

    ResponderEliminar
  5. Hoje mesmo eu estava pensando o quanto há de poesia na natureza. Há muito, tudo, como "o riso das crianças ansiosas por te saltar". Uma imagem bela e sensível, com certeza!
    Abraços!

    ResponderEliminar

Olhares de perto