quarta-feira, 17 de junho de 2009

Conversa de adultos


Hoje consegui falar contigo,
E ambos percebemos que temos que estar unidos!
Veio o dia em que tudo estava como dantes...
O outro que se lhe seguiu, trouxe memórias errantes!
Ouves-me concordar com histórias que não são tuas,
Mas calo concordando para evitar mais amarguras!
Tu és o meu ídolo!Que tudo fazes por mim,
que abdicas dos teus livros para as nossas conversas sem fim...
Hoje caminhamos no mesmo sentido,
sofremos pelos passos dados para chegarmos a meio do caminho!
Hoje decidimos ler o mesmo livro, de capa escondida,
Para que quem nos olha não perceba que combinamos...
Quando dele falarmos, vamos escrever a nossa história!
Ensinar que amar é também aceitar!
E nesse nosso amor cabe o problema maior,
que é ver quem nos deu colo a morar fora de si...
Tu e eu estamos lá!E vamos saber viver com isso...
Tu ensinas-me o que sabes,
e eu aprenderei a amar-te ainda mais, Papá!

26 comentários:

  1. Nada escrevo para não estragar esta beleza de amor filial.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Al leerte he deseado que todos pudieran tener una conversación semejante,las relaciones fluirían de otra manera,precioso.Un abrazo de A.Dulac

    ResponderEliminar
  3. A força da maior cumplicidade entre pai e filho está naquilo que não precisa ser dito, que existe apenas por ser imprescindível a ambos. Uma mão dada, uma história contada, um abraço no colo...

    ResponderEliminar
  4. Não deixes de falar no momento oportuno, e não escondas a tua sabedoria.
    (Ecl 4,23)

    ResponderEliminar
  5. Sem palavras... Concordando com João Menéres!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  6. Luisa, estas linhas sao maravlhosas...me lembrou como amava, amo o meu oai...
    grande beijo,
    mra

    ResponderEliminar
  7. Lindo. Quem o tenha que cuide bem dele
    Jnhs

    ResponderEliminar
  8. Fizeste-me chorar, e tu sabes porquê...

    Beijos grandes.

    ResponderEliminar
  9. Lindo Luísa! Infelizmente eu ao meu pai apenas posso escrever sobre saudade..
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  10. Sei que alguns filhos têm dificuldade em encontrar-se com o seu pai ou a sua mãe. Não é culpa de ninguém. Será um confronte de gerações, não sei. Mas se esse encontro chega a acontecer será verdadeiramente maravilhoso.
    O seu texto é lindo e poderoso.
    Um beijinho,
    Maria Emília

    ResponderEliminar
  11. Recordei um pouquinho, as conversas que tenho com o meu Pimpolho. De como crescem sem nos apercebermos. É muito bom que haja essa cumplicidade entre os Pais e os Filhos. Tenho pena de não ter o meu por perto....
    Mas converso na mesma com ele, e sei que me ouve.
    Um beijo,
    Judite

    ResponderEliminar
  12. Que lindo, Luisa!

    Mt bjs.

    ResponderEliminar
  13. João,
    sabes bem do que falo! Também és pai e deves valorizar a dedicação dos teus filhos...
    Beijinho terno, SENHOR!

    ResponderEliminar
  14. A. Dulac,

    tenho um pai especial, reconheço!
    Um abraço também para ti!

    ResponderEliminar
  15. Pas(ç)so,
    tudo está contemplado nesta relação de amor parental!
    Lembras-te da casa dos afectos?Ele é um dos alicerces...
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  16. Patinaremfafe,
    tu conheces-nos...
    Beijinho!

    ResponderEliminar
  17. Ana,
    obrigada pelo carinho!
    Beijinho terno!

    ResponderEliminar
  18. Tonho,
    lindos são os teus ensinamentos sobre a politica mundial...
    Cazaquistão? A fazer o quê?
    Ai!Ai!É para 6vqcoisa, não é?
    Beijinho terno!

    ResponderEliminar
  19. Myra,
    vieste com umolhardeperto!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  20. Delfim,
    provoquei nostalgia de saudade!Desculpa!Mas este meu grande heroi, que me lê todos os dias, estava a precisar de ouvir que o adoramos...os 6 descendentes adoram-no!
    Bjnhs

    ResponderEliminar
  21. Cristina,
    sabemos do que falamos e vamos conseguir alcançar o nosso objectivo!Na vida, nunca ninguém se cruza por mero acaso...
    Beijinhos, Amiga!

    ResponderEliminar
  22. Selma,
    poisa o teu braço direito sobre o ombro esquerdo.Cruza o teu braço esquerdo sobre o ombro direito.Agora aperta bem apertadinho.Estás a sentir o abraço que eu te mando!
    Com muito carinho,
    Luísa

    ResponderEliminar
  23. ME,
    é mesmo só e apenas um apoio incondicional, parte a parte, sem qualquer conflito de gerações...
    Beijinho terno!

    ResponderEliminar
  24. Judite,
    beijinho terno, sem algum dia ter prtendido causar tanta nostalgia...

    ResponderEliminar
  25. Felícia,
    linda és tu por tão simpáticas palavras. Hei-de voltar a postas em LGP.Exclusivamente para ti!
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Olhares de perto