quarta-feira, 3 de junho de 2009

No cimo do monte, beijo-te Serra

No cimo da serra, há uma casa na pedra!
Tem telhado de argila a respirar sossego...
E uma porta de ferro como a pensar segurança!
No cimo desta serra respira-se bom ar,
Enchem-se os pulmões de alegria
E devolvem-se à serra os poluentes
que em nós moravam sem renda pagar...
Recuperado o fôlego,
grita-se ao eco para o ouvir falar!
Nesta simpatia de estar na serra,
conseguimos ouvir os grilos,
ver águias reais e cavalos selvagens
que passam sem por nós contar dar!
Banha-a o sol quentinho,
como que uma benção deixa no ar!
Tudo cresce, floresce e rebenta, até a maturidade alcançar...
Nesta serra passaram os mais famosos trilhos do WRC
em tempos quando os cavalos que passavam eram de força mecânica
nas mãos dos melhores corredores, na representação das melhores marcas!
Hoje habitam-na as torres da éolica!
Onde o silêncio de oiro
É interrompido pelo suave passar das hélices,
que balbuciam entre si: "hoje alguém nos veio ver com outro olhar..."
Esta serra da Lameira, pergunta por quem a gosta
E mostra-se a quem passa, com um ar de natureza,
Hoje vestida de manto verde, a receber-nos bem disposta!

10 comentários:

  1. Há silêncio nas ventoínhas?:)
    Beijo:)

    ResponderEliminar
  2. Conheço bem a Lameira.
    Da casa, dessa casinha, ao penedo encostada, nunca ouvira falar...
    Se me deres as coordenadas, qualquer dia lá estarei.

    ZINHA: A LUÍSA escreveu: " ...suave passar das hélices".
    Acho que foi muito feliz nessa definição...

    Linda a descrição. Poema feito.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Olá, desconhecia este blog e adorei mesmo passar por aqui e voar com as suas palavras, vou voltar sempre.
    Bruno Cardona

    ResponderEliminar
  4. Se tiveres de parar um pouco, fica sentada, mas sempre olhando para tudo o que te rodeia, pois são esses caminhos que percorres, que nos mostram a essência da que há em ti.
    Adorei esta mensagem da nossa querida Serra.

    ResponderEliminar
  5. Que riqueza de narrativa e detalhes...

    Luísa se superando!

    Beijos!

    : )

    ResponderEliminar
  6. Lindo o amor pela natureza!!!!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  7. Pude sentir o clima da casinha no alto da serra...lindo o que escreveu.
    beijo

    ResponderEliminar
  8. Mil caminhos
    Esta viagem sem velas nem vento
    Este barco na bolina das ondas
    Esta chuva miúda transborda sentimento

    Amarras prendem o gesto
    Arrocham um coração que bate incerto
    Uma gaivota retoca as penas com espuma
    Levanta voo em rumo concreto

    Partilha comigo “100 Anos de Ilusão”


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  9. Amar e sentir a Natureza dessa maneira é uma dávida!
    Poema encantador.

    Beijinhos Luísa!

    ResponderEliminar

Olhares de perto