domingo, 27 de julho de 2014

Saudades do que era

Esgotei o cansaço
Esticando-me em mim,
num dia de sol envergonhado...
O calor intenso,
ofereceu sorrisos livres à natureza,
num trajeto verde flutuado no Cávado...
Acabei do lado do mar,
espantada pela sua revolta,
numa praia engolida pela fúria do inverno.
Quem te viu e quem te vê!!!



2 comentários:

  1. Se dispensaria o último verso, este :

    num trajeto verde flutuado no Cávado...

    sairia em relevo !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Numa viagem perfeita o poema tem asas
    abertas de gaivota. Para quê recriminá-lo
    com outros voos?

    ResponderEliminar

Olhares de perto