quarta-feira, 23 de julho de 2014

Tentativa de escrita

foto de João Menéres www.grifoplanante.blogspot.com

Aqueço as letras ao apagar o sol,
mimo-as pelo tempo laranja,
deixo-as fluir em cada suspiro distante
tal navegação incógnita
 por um texto não escolhido!
Se soubesse (d)escrever-te,
entre o céu e o mar faria um poema
que no reflexo de ti daria um sonho...
...a sonhar!
Posso tentar...talvez começar ao sol raiar,
e nele deixar as palavras aquecer.

10 comentários:

  1. O teu poema supera a imagem, Luísa !

    Obrigado por divulgares o meu trabalho.

    Um beijo muito amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És mesmo meu amigo!
      Beijinhos mil pela simpatia!

      Eliminar
  2. Não é preciso aquecer as letras, elas fluem para o papel de uma maneira sublime, graciosa, deslumbrante. Belo poema. Parabéns. SILVANA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ;-) , tem dias em que elas saem mesmo assim, sem precisar esforço algum, sem orientação alguma de mim. Mas outros dias há, em que a inspiração vem da imagem...e da leitura natural da maravilhosa natureza!

      Eliminar
  3. A fotografia é sem dúvida muito boa mas o que interessa aqui é "um olhar de perto".
    Mais uma boa poesia. Tornou-se um hábito vir aqui espreitar as novidades. A Luísa sabe por as letras a aquecer ao sol. Pela manhã ou ao fim da tarde?
    Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Agostinho!
      Tento arranjar letras para reformular as palavras numa ordem simpática para quem me lê no seu olhar de perto!
      Resulta bem?

      Eliminar
    2. Modéstia Luísa...
      Se resulta bem? Não duvide. Veja os comentários.

      Eliminar
  4. Lindo, lindo, aqui so tem qualidades, a tua obra é toda envolvida de mto amor, paixão, inteligencia, impossivel de sair bem, bjinhos, continue, mta força!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lindo, lindo é o que me escreve, admirável Aliuce!
      Gosto de o ver no meu olhar de perto!
      Bjnhs

      Eliminar
  5. E ainda não me esqueci das folhas verdes de carvalho a bailarem ! Quando tenho saído, não tem estado em condições ( ou céu nublado ou não há a orquestra do vento...).
    Um beijo.

    ResponderEliminar

Olhares de perto